Transformação do Viveiro Municipal de Piracanjuba, GO, em Viveiro Educador

  • Brenda Oliveira Guimarães
  • Isa Lucia de Morais
Palavras-chave: Arborização urbana, Educação Ambiental, Produção de Mudas

Resumo

O projeto “Viveiros Educadores”, desenvolvido pelo Ministério do Meio Ambiente, estimula, orienta e apoia a implementação de viveiros florestais como espaço de aprendizagem, instigando os envolvidos na gestão viveiros já existentes a perceberem, valorizarem e a incorporarem a dimensão educadora em suas atividades. Neste contexto, a presente pesquisa objetivou tornar o viveiro municipal em viveiro educador, com a produção de mudas pela comunidade escolar para o uso na arborização urbana e recuperação de áreas degradadas em Piracanjuba, GO. Os gestores da Secretaria Municipal de Agricultura, Meio Ambiente e Recursos Hídricos em parceria com os da Secretaria Municipal de Educação, em Piracanjuba, criaram o projeto intitulado “Salve a Natureza - Edição 2015-2016”. Este projeto tem o intuito de contribuir para a formação de sujeitos ecológicos e a principal estratégia de ação envolve a produção de mudas pela comunidade escolar da rede municipal de ensino. Foram incluídas apenas as escolas da rede municipal de ensino do 4º ao 9º ano do Ensino Fundamental. As ações foram divididas em cinco etapas: 1ª) estruturação e organização do projeto com reuniões na Secretaria Municipal de Educação com a presença de todos envolvidos; 2ª) realização de palestras nas unidades escolares para a apresentação do projeto e das técnicas de plantio de mudas; 3ª) visita dos alunos selecionados pelas escolas ao Viveiro Municipal de Piracanjuba no Dia “D” com ênfase na produção de mudas no local; 4ª) recolhimento, recepção e armazenamento das mudas doadas por cada unidade escolar; e 5ª) avaliação e premiação das escolas. Foram produzidas 10.424,00 mudas, sendo 5.612,00 oriundas do “Dia D” e 4.813,00 entregues pelas unidades escolares. Entre as 45 espécies 21 são exóticas e 24 nativas. As dez espécies com o maior número de mudas produzidas, em ordem decrescente, foram Delonix regia, Bixa orellana, Carica papaya, Pterodon emarginatus, Spondias dulcis, Tamarindus indica, Passiflora edulis, Ceiba speciosa, Bauhinia forficata e Syzygium malaccense, das quais seis são exóticas. Tal fato, corrobora a necessidade, de paulatinamente, através da sensibilidade e aprendizagem ambiental, ir tentando inserir no ambiente urbano e rural, a valoração das espécies nativas e, no caso do estado de Goiás, as do domínio fitogeográfico do Cerrado. A realização do “Dia D” subsidiou a construção coletiva, em que as diversas possibilidades de abordagem e aprendizagem foram exploradas e organizadas com o intuito de despertar o espírito crítico e participativo nos alunos. O Viveiro Municipal de Piracanjuba passou a ter sua dimensão educadora exercitada com as atividades propostas no âmbito desta pesquisa. Os alunos se sentiram motivados ao fazerem parte da produção de mudas. Eles tiveram sua curiosidade aguçada em busca da solução dos problemas e, ao mesmo tempo, receberam informações importantes sobre a recuperação de áreas degradadas e a importância da vegetação para uma melhor qualidade de vida e para manutenção da qualidade e da quantidade de recurso hídrico.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-11-16
Seção
Educação Ambiental