COMPETÊNCIA DE TRABALHADORES PARA PROMOÇÃO DE SAÚDE E AUTOCUIDADO FRENTE ÀS AMEAÇAS DAS DOENÇAS CRÔNICAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS – RELATO DE EXPERIÊNCIA

  • Sandra Valéria Martins Pereira
  • Karina da Silva Vale

Resumo

1 INTRODUÇÃO As doenças e agravos não transmissíveis (DANTs) são comuns
na sociedade pós-industrial, constituindo um sério problema de saúde pública universal.
Dentre essas o Diabetes Mellitus, a Hipertensão Arterial, as Dislipidemias, a Obesidade e
as doenças Cardíacas Isquêmicas são as de maior incidência e prevalência na
população. Quase sempre estão associadas aos estilos de vida perigosos os principais
fatores condicionantes são: sedentarismo, tabagismo, alcoolismo e dieta hipercalórica,
hiperssódica e pobre em frutas e verduras (ORGANIZAÇÃO PAN AMERICANA DE
SAÚDE, 2003). As DANTs apresentam longo período de latência e curso assintomático,
evolução clínica lenta e permanente, além de risco para complicações, com lesões
celulares irreversíveis e sequelas debilitantes. A estimativa é de que cerca de 300 milhões
de pessoas estarão acometidas de diabetes, até o ano de 2025, em todo o mundo. O
mesmo quadro caótico é encontrado em relação à obesidade, considerada uma pandemia
global. O Brasil se encontra no sexto lugar em prevalência de Diabetes Mellitus do
planeta, com cerca de cinco milhões de diabéticos e 25 mil mortes anuais. Curva
ascendente é encontrada em relação ao aumento de peso população, independente da
faixa etária e classe social (BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006).

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-08-20
Seção
Cidade Sustentável e Qualidade de Vida