RECUPERAÇÃO ECOLÓGICA EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA DO RIO SANTO ANASTÁCIO, UGRHI PONTAL DO PARANAPANEMA –SÃO PAULO - BRASIL

  • Joana Silva
  • Yuri Comparato Moskovitz
  • Antonio Cezar Leal
  • Renata Ribeiro de Araújo

Resumo

1. Introdução
Ao longo de sua história, no Oeste Paulista, com destaque à região onde se
localiza a bacia hidrográfica do manancial Rio Santo Anastácio, diante do
desenvolvimento econômico agropecuário, as questões ambientais ficaram em segundo
plano. Por conta desse histórico, a região tornou-se palco de intensas alterações
ambientais, especialmente a partir de 1952 (BOIN, 2000).
Nesse âmbito, vem sendo desenvolvidas pesquisas junto ao Grupo de
Pesquisa em Gestão Ambiental e Dinâmica Sociespacial, com o intuito de compreender
as transformações ocorridas, os problemas gerados e apresentar propostas para sua
solução mediante políticas públicas e ações de órgãos públicos.
Dentre essas pesquisas, são desenvolvidos trabalhos integrados ao projeto
PROCAD “Novas fronteiras no Oeste: relação entre Sociedade e natureza na microrregião
de Ceres em Goiás (1940 -2013)”, com apoio da CAPES. Assim, estão sendo realizados
estudos aplicados para a identificação da situação das áreas de preservação permanente
(APP) da bacia hidrográfica do manancial Rio Santo Anastácio, com o objetivo de
subsidiar um projeto de restauração ecológica em APP localizadas em propriedades
rurais de pequenos produtores nesta bacia, de modo a contribuir para a produção de água
e regularizar a situação ambiental das mesmas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-08-20
Seção
Relatos de Experiências de Pesquisas e Missões realizadas