AVALIAÇÃO DE ÍNDICE DE ÁREA FOLIAR POR MEIO DE SENSORIAMENTO REMOTO EM PIVO CENTRAL NA CULTURA DO TOMATE

  • ISRAEL NATÃ CHICANELI FACEG
Palavras-chave: IAF, NDVI, SAVI, SENSORIAMENTO REMOTO

Resumo

O Índice de Área Foliar (IAF), que consiste na exposição da área foliar do dossel e a unidade de superfície projetada no solo (m².m-2), pode ser obtido de maneira direta a partir de amostras destrutivas, ou de maneira indireta e não destrutiva, onde destaca-se o uso das imagens de sensores remotos e os índices de vegetação na sua determinação. Com base no exposto, o objetivo com este trabalho foi realizar a estimativa do Índice de Área Foliar a partir de imagens de sensoriamento remoto na cultura do Tomate. O estudo foi realizado em uma área irrigada por pivô central no município de Vila Propício de Goiás, tendo uma área de 32,72 ha. Para determinar o Índice de Área Foliar (IAF), foram calculados os índices de vegetação NDVI e SAVI para as imagens dos satélites Landsat. Foi observado que as variações dos valores médios de NDVI e SAVI, durante a safra do tomate industrial do ano de 2018, sendo que os valores apresentados no inicio do ciclo da cultura foram baixos e subiram de acordo com o crescimento vegetativo da planta, o IAF apresentou nos estágios iniciais de crescimento, valores abaixo de 0,5m².m-2, podendo ser relacionado com porte da cultura e o solo aparentemente exposto nas fases iniciais de seu desenvolvimento, após 21 Dias após o Plantio (DAP), foi observado valores crescentes do IAF até o seu decréscimo  próximo ao seu período de colheita variando se de 90 DAP a 120 DAP. Também foi encontrado alta correlação o NDVI e IAF.

Referências

SBRISSIA, A. F.; SILVA, S. C. Comparação de três métodos para estimativa do índice de área foliar em pastos de capim-marandu sob lotação contínua. Revista brasileira de zootecnia, v.37, n.2, p.212-220, 2008.
JORDÃO, W. H. C.; ZANCHI, F. B.; FERREIRA, D. M. M.; PAGANI, C. H. P.; LUIZÃO, F. J.; NEVES, J. R. D.; DUARTE, M. L. Variabilidade do índice de área foliar em campos naturais e florestas de transição na região Sul do Amazonas. Revista ambiente e água, v.10, n.2, p.363-375, 2015.
LIGIA S REIS.; CARLOS A V DE AZEVEDO; ABEL W ALBUQUERQUE & JOSUE F S JUNIOR. Índice de área foliar e produtividade do tomate sob condições de ambiente protegido. Revista Brasileira de Engenharia Agricola e Ambiental, v. 17 nº 04, p. 386-391, 2013.
LOPES, W. A. R..; NEGREIROS, M. Z.; DOMBROSKI, J. L. D.; RODRIGUES, G. S. O.; SOARES, A. M.; ARAÚJO, A. P. Análise do crescimento de tomate “SM-16” cultivado sob diferentes coberturas de solo. Horticultura brasileira, v.29, n.4, p.554-561, 2011.
MORGADO, M. A. D.; BRUCKNER, C. H.; ROSADO, L. D. S.; ASSUNÇÃO , W.; SANTOS, C. E. M. Estimação da área foliar por métodos não destrutivos, utilizando medidas lineares das folhas de espécie de Passiflora. Revista Ceres, v. 60, n.5, p.663-667, 2013.
Wesley Zambom da Silva1, Sebastião Vinícius Batista Brinate2, Marcelo Antonio
Tomaz3, José Francisco Teixeira do Amaral3, Wagner Nunes Rodrigues4, Lima
Deleon Martins4 ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág.746-759
P BORRATO; L GOMIDE Aplicação dos índices de vegetação NDVI, SAVI e IAF na caracterização da cobertura vegetativa da região Norte de Minas Gerais, Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE,
XXV CONIRD – Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem, 2015, UFS - São Cristóvão/SE, Índice de área Foliar de plantas de tomateiro em função de níveis de reposição da evapotranspiração, L. F. M. da SILVA1 ; C. J. da SILVA2 ;C. A. da SILVA3 ; N. E. P. da SILVA4 ; C. A. de FREITAS5 ; A. GOLYNSKI.
Ponzoni, F. J. Comportamento Espectral da Vegetação. In: MENESES, P. R., NETTO, J. S. M. (org) Sensoriamento remoto, reflectância dos alvos naturais. Brasília – DF: Editora Universidade de Brasília - UNB,Embrapa Cerrados, p 157-199, 2001.
BRAGA, C. C. et al. Determinação do albedo e índice de área foliar usando o sensor TM /LANDSAT 5. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 14. (SBSR),2009, Natal. Anais... São José dos Campos: INPE, 2009. p. 935-942
submeSANTOS, A. R. et al. Sensoriamento Remoto no ArcGIS 10.2.2. passo a passo:
processamento de imagens orbitais. Volume 1 (recurso eletrônico). Alegre, ES: CAUFES,
2014. 107 p.

Documentos em meio eletrônico
PEREIRA, M. P. Bibliotecas Digitais de Teses e Dissertações UFG. PEREIRA, R. M. Índice de área foliar e estresse hídrico em função de variáveis climáticas e dados orbitais. 2015. 94 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015. Disponível em: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/5288>. Acesso em. 3-Jun 2015.
MACHADO, C. C. C. et al. Estimativa do Índice de Área Foliar no Parque Nacional doCatimbau (PE - Brasil) e sua comparação com medições de campo usando o LAI-2200. In:SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 16. (SBSR). 2013, Foz doIguaçu. Anais... São José dos Campos: INPE, 2013. p. 2850-2857.
Alberto Carlos de Campos Bernardi, [et al.], Agricultura de precisão: resultados de um novo olhar. / editores técnicos. – Brasília, DF : Embrapa, 2014.
Toneli,C.A.Z.; Vieira,S.R.; Ferraz Filho,A.C.; Brito,A.; Araujo,E.J.G.; Martins,G.S.; Higashikawa,E.M. Análise da relação entre a estrutura do dossel a partir de fotografias hemisféricas e dados dendrométricos de inventário florestal, conduzido em um povoamento de Eucalyptus grandis. Anais XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, Brasil, 21-26 abril 2007, INPE, p. 1891-1898.
MENESES, P. R.; ALMEIDA T.; ROSA A. N. C. S.; SANO E. E.; SOUZA E. B.;
BAPTISTA G. M. M.; BRITES R. S. Introdução ao processamento de imagens de
sensoriamento remoto. vol 1. Brasília DF. UNB/CNPq, 2012.
FLORENZANO, T. G. Iniciação ao Sensoriamento Remoto. 3 ed. São Paulo:
Oficina de Textos, 2011.
MENESES, P. R.; ALMEIDA T.; ROSA A. N. C. S.; SANO E. E.; SOUZA E. B.;
BAPTISTA G. M. M.; BRITES R. S. Introdução ao processamento de imagens de
sensoriamento remoto. vol 1. Brasília DF. UNB/CNPq, 2012.
Publicado
2019-05-14