A HIPOTONIA NA MOTRICIDADE FINA E SUA RELAÇÃO COM A ESCRITA E COM O USO DE APARELHOS ELETRÔNICOS

  • Jéssica Camilo Mattos Cunha UniEVANGÉLICA
  • Maria Clemência Pinheiro de Lima Ferreira UniEVANGÉLICA
Palavras-chave: coordenação motora fina, Preensão das mãos, Aparelhos Eletrônicos

Resumo

A geração do século XXI tem vivido o avanço tecnológico de tal forma que diferentes artefatos da tecnologia atual estão à disposição das crianças e as aproximam de telas e botões de aparelhos eletrônicos por longos períodos durante o dia. Nesta pesquisa tivemos como objetivo geral analisar se existe alguma relação do tempo de uso de aparelhos eletrônicos e a hipotonia na motricidade fina. Como objetivos específicos, buscamos conceituar e discorrer sobre a motricidade fina como elemento psicomotor considerando a questão da hipotonia; abordar sobre o uso de aparelhos eletrônicos e o desenvolvimento da motricidade fina analisando se há relação direta no tempo de manuseio destes com as situações de hipotonia em crianças entre 04 e 06 anos e descrever possibilidades de desenvolvimento da força muscular das mãos e da coordenação motora fina, tanto em casa quanto na escola. Este trabalho caracteriza-se como pesquisa quali-quantitativa e foi realizada com base em referências bibliográficas e investigação em campo por meio de questionário junto a professores e pais das crianças de uma escola privada em Anápolis, a fim de estabelecer um comparativo para verificar o desenvolvimento da coordenação motora fina, sobretudo, explicitada na pega do lápis e força da escrita. Considerando a população em questão, não identificamos uma relação direta da hipotonia, flacidez muscular propriamente dita, com o tempo de uso e tipos de aparelhos eletrônicos. No entanto, a temática necessita de maior investigação abrangendo outras realidades com aprofundamento na coleta de dados.

Publicado
2019-06-28