QUAL O PAPEL DO PROTOCOLO PREVENTIVO ODONTOLÓGICO NO PACIENTE ONCOLÓGICO?

  • Isabella Karen Queiroz Faceg
  • Amanda Fernandes Carneiro
  • Leonardo H. C. Segantini
  • Marilia Oliveira Morais
  • Paulo José de Figueireido Júnior
  • Débora da Silva Brandão
Palavras-chave: Mucosite, Osteoradionecrose, Radioterapia

Resumo

O câncer na região de cabeça e pescoço apresenta alta taxa morbidade e mortalidade. O tipo histológico mais comum é o carcinoma de células escamosas. O tratamento utilizado é a cirurgia, radioterapia e quimioterapia. Essas terapias associadas ou não, induzem vários efeitos adversos na cavidade oral e reduzem a qualidade de vida do paciente oncológico. Dentre os efeitos adversos, destaca-se a mucosite, xerostomia, dor, disgeusia, cárie e osteoradionecrose. Devido a gravidade dessas lesões, a interrupção da radioterapia pode ser necessária e em consequência disso, pode ocorrer a perda do controle tumoral e queda da taxa de sobrevida. Todas essas complicações orais advindas da radioterapia e quimioterapia podem ser evitadas por meio de um protocolo preventivo odontológico antes, durante e depois do tratamento oncológico. O protocolo preventivo odontológico é baseado na remoção dos focos de infecção, hidratação, higienização e uso diário de soluções remineralizantes. O uso de anti-inflamatórios, analgésicos, anti-fúngicos e anestésicos podem ser necessários durante a radioterapia e quimioterapia. Diante disso, o protocolo preventivo odontológico tem um papel fundamental na prevenção e tratamento das complicações orais decorrentes da radioterapia e quimioterapia proporcionando melhor qualidade de vida ao paciente oncológico.

Publicado
2019-04-03