Aspectos éticos na divulgação de imagens de pacientes (antes e depois): ate onde posso ou devo ir?

  • Gabriella Prates Braga faculdade evangelica de Goianésia
  • Ana Clara Silva
  • Samuel Arruda
  • Wesley de Freitas
  • Keila Vieira da Mota Costa

Resumo

Diante das inovações tecnológicas do mundo contemporâneo, o uso de imagens nas mídias sociais tem despertado o interesse dos profissionais em busca de nova clientela. Baseado nisso instituiu-se uma nova era, na qual as pessoas se tornaram reféns desse novo modelo. Porém, na maioria das vezes esses aspectos não estão de acordo com o código de ética vigente. Uma das principais questões acerca desse assunto refere-se à maneira com que a exposição final do trabalho executado é veiculada. O dever do profissional é guardar sigilo quanto às informações obtidas . Assim, descumpre os deveres quando expõe imagens sem o consentimento prévio,  criando expectativas ao paciente, podendo se frustrar mediante um resultado não alcançado. Por isso, compete ao profissional orientar das limitações particulares de cada caso, esclarecendo a importância da avaliação para diagnóstico e planejamento, pois, apesar do acesso facilitado à resultados surpreendentes, isso não substitui a necessidade de uma boa avaliação clínica, diagnóstico e planejamento. Assim sendo, a divulgação dessas imagens pode ser benéfica para ambos, desde que não ofenda o respeito à autonomia, a privacidade e a confidencialidade do paciente, princípios estes, básicos das relações humanas.

Publicado
2019-04-01