IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS E PRÓTESES IMPLANTOSSUPORTADAS - ASPECTO POST MORTEM E USO PARA IDENTIFICAÇÃO HUMANA: RELATO DE CASO PERICIAL

  • Heitor Martins Carvalho
  • Isadora Ricarda Azevedo e Silva
  • Gustavo Peclat David
  • Maria Alves Garcia Santos Silva
  • Fernando Fortes Picoli
  • Mayara Barbosa Viandelli Mundim-Picoli

Resumo

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS E PRÓTESES IMPLANTOSSUPORTADAS - ASPECTO POST MORTEM E USO PARA IDENTIFICAÇÃO HUMANA: RELATO DE CASO PERICIAL

 

Heitor Martins Carvalho1

Isadora Ricarda Azevedo e Silva1

Gustavo Peclat David1

Maria Alves Garcia Santos Silva2

Fernando Fortes Picoli3,4

Mayara Barbosa Viandelli Mundim-Picoli4,5

 

1- Discentes do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis - UniEvangélica

2- Docente da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Goiás – FOUFG

3- Perito Criminal da Seção de Antropologia Forense e Odontologia Legal da Secretaria de Segurança Pública – SAFOL

4- Departamento Científico do Centro Integrado de Radiodontologia – C.I.R.O.

5- Docente do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis - UniEvangélica

 

RESUMO SIMPLES

Com revolução proporcionada pelo advento e recente popularização dos implantes osseointegrados, o número de próteses totais implantossuportadas também cresceu, de forma que essas passaram a constituir achados odontológicos de corpos encaminhadas para os IMLs com finalidade de identificação. O presente trabalho objetiva ilustrar o aspecto post mortem dos implantes dentais e próteses do tipo protocolo de Brånemark, bem como demonstrar o uso desses como identificadores odontológicos. Um corpo em avançado estado de decomposição foi encaminhado para o serviço Odontolegal do IML de Goiânia com finalidade de identificação humana. Após remoção dos tecidos moles remanescentes, foi possível a visualização parcial dos implantes dentais e completa das próteses implantossuportadas da vítima. A família de uma pessoa desaparecida e que acreditava que o cadáver pudesse se tratar dessa pessoa, enviou radiografias odontológicas nas quais era possível visualizar a presença de seis implantes superiores e cinco inferiores, além da estrutura metálica peculiar das próteses. A comparação dessas características nos exames da pessoa desaparecida com aqueles do cadáver possibilitaram um identificação positiva. O presente caso pericial enfatiza o uso dos implantes osseointegrados e próteses implantossuportadas na identificação humana, além de ilustrar o aspecto post mortem dessas características.

Palavras-chave: Odontologia Legal, Próteses e Implantes, Implantes Dentários, Identificação de Vítimas.

 

INTRODUÇÃO

A implantodontia moderna passou por inúmeras modificações para ser possível ter ações práticas e teóricas embasadas em pesquisa e aceitação de pacientes e cirurgiões dentistas. No mercado existe uma variedade imensa de implantes tanto nacionais quanto internacionais, apresentam diferentes designers e modelos. A reabilitação protética com a ajuda da implantodontia vem se tornando bem comum, além de maior previsibilidade, e custos reduzindo. Com a revolução proporcionada pelo advento e recente popularização dos implantes osseointegrados, o número de próteses totais implantossuportadas também cresceu, de forma que essas passaram a constituir achados odontológicos de corpos encaminhadas para os Institutos Médico-legais (IMLs) com finalidade de identificação (NUZZOLESE et al., 2008). A reabilitação oral com implantes seguindo o protocolo proposto por Bränemark consiste na colocação de quatro cinco a seis implantes na mandíbula e/ou maxila sendo que essa área necessitava estar completamente edêntula para a fixação da prótese implantossuportadas. Implantes dentais vêm sendo bastante usados para a identificação odontológica em alguns casos. Quando o implante é instalado e ocorre a osseointegração o mesmo não muda de posição, e para a identificação odontolegal, existe a comparação dos dados odontológicos ante-mortem e post-mortem, em busca de características únicas anatômicas e morfológicas como a própria osseointegração, localização do implante, orientação onde o implante foi colocado, contato ou proximidade com alguma área nobre, entre outros, e de fato pode ser comprovado a identificação da arcada ou corpo (DE ANGELIS et al., 2015)(FERNANDES et al., 2017).

 

OBJETIVO

O objetivo deste trabalho foi ilustrar o aspecto post mortem dos implantes dentais e próteses do tipo protocolo de Brånemark, bem como demonstrar o uso desses como identificadores odontológicos.

 

DESENVOLVIMENTO

O perito realiza exames de sua competência ou especialidade, para esclarecer e lucidar qualquer fatos que são de um processo judicial ou inquérito policial. Necessita também que os registros odontológicos estejam corretos e conforme as normas que regulamentam a odontologia (ALMEIDA, 2010). Um corpo em avançado estado de decomposição foi encaminhado para o serviço Odontolegal do IML de Goiânia com finalidade de identificação humana. Após remoção dos tecidos moles remanescentes, foi possível a visualização parcial dos implantes dentais e completa das próteses implantossuportadas da vítima. A família de uma pessoa desaparecida e que acreditava que o cadáver pudesse se tratar dessa pessoa, enviou radiografias odontológicas nas quais era possível visualizar a presença de seis implantes superiores e cinco inferiores, além da estrutura metálica peculiar das próteses. A comparação dessas características nos exames da pessoa desaparecida com aqueles do cadáver possibilitaram um identificação positiva. As perícias post mortem necessitam de um suporte documental para que, através dos prontuários clínicos dos pacientes, as informações e atualizações de tratamentos, o perito odontolegista possa comparar os dados documentais com o cadáver e identificar os cadáveres (CARNEIRO, 2018). Utilizar a comparação de odontogramas ante-mortem e post-mortem favorecem a identificação de pontos coincidentes ou  discrepâncias explicáveis, que o perito relaciona os dados e define a identificação do corpo (PEREIRA, 2017).

 

CONCLUSÃO

O presente caso pericial enfatiza o uso dos implantes osseointegrados e próteses implantossuportadas na identificação humana, além de ilustrar o aspecto post mortem dessas características.

 

Referências Bibliográficas

  1. ALMEIDA, C. A.; PARANHOS, L. R.; SILVA, R. H. A. A importância da odontologia na identificação post-mortem. Odontologia e Sociedade, v. 12, n. 2, p. 7-13, 2010.
  2. CARNEIRO, A. P. C. IDENTIFICAÇÃO HUMANA POST MORTEM. Olhares Plurais, v. 1, n. 18, p. 54-63, 2018.
  3. DE ANGELIS, D.; CATTANEO, C. Implant bone integration importance in forensic identification. Journal of forensic sciences, v. 60, n. 2, p. 505-508, 2015.
  4. FERNANDES, L. C. C.; BENTO, M. I. C.; OLIVEIRA, J. A.; SORIANO, E. P.; SANTIAGO, B. M.; RABELLO, P. R. IDENTIFICAÇÃO ODONTOLÓGICA POST-MORTEM POR MEIO DE FOTOGRAFIAS DO SORRISO: REVISÃO DE LITERATURA. RBOL-Revista Brasileira de Odontologia Legal, v. 4, n. 3, 2017.
  5. NUZZOLESE, E.; LUSITO, S.; SOLARIONO, B.; DI VELLA, G. Radiographic dental implants recognition for geographic evaluation in human identification. J Forensic Odontostomatol, v. 27, n. 1, p. 8-11, 2008.
  6. PEREIRA, N. O.; CANETTIERI, A. C. V. IDENTIFICAÇÃO POST-MORTEM BASEADA NA ANÁLISE DA ARACDA DENTAL-RELATO DE CASO. Revista Univap, v. 22, n. 40, p. 676, 2017.

 

 

Publicado
2019-06-09
Edição
Seção
Resumo