CONTROLE DE MILHO VOLUNTÁRIO COM DIFERENTES PRINCÍPIOS ATIVOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37951/2595-6906.2021v5i1.6545

Palavras-chave:

Herbicidas, competição, milho tiguera

Resumo

São diversos componentes do processo que afetam negativamente a produção agrícola, sendo as plantas daninhas um dos aspectos mais cruciais. O cultivo da soja RR com presença de milho RR é considerado um problema técnico. As sementes de milho que resistem sobre o solo germinam na cultura da soja, infestando-a e formando um conflito interespecífico. O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho de herbicidas para o controle de milho voluntário RR, em diferentes dosagens e estágios de desenvolvimento. O experimento foi conduzido na Fazenda Rio dos Bois, Silvânia, GO. O período de condução do experimento foi entre os meses de abril e maio de 2020. Foi separado uma área de 125 m² dividida em cinco canteiros com 25 m², contendo 50 cm de espaçamento entre linhas, 3,0 sementes m-1 linear-1. A cultivar utilizada foi o milho híbrido 2b433PW da Brevant®, o plantio foi realizado no dia 20/04/2020. O delineamento experimental foi de blocos inteiramente casualizados com quatro tratamentos e quatro repetições, utilizando os herbicidas para o controle do milho voluntário. Para a interpretação dos resultados, foram definidos níveis de controle (conceitos) em função de faixas de eficiência de controle, utilizando a escala proposta pela Asociación Latinoamericana de Malezas. Na terceira avaliação feita com 21 dias após as aplicações, foi observado o maior controle do tratamento com clorimuron na pré-emergência, e com haloxyfope na pós-emergência, levando um ótimo controle à todas as plantas tratadas. Todos foram bem eficazes, tanto os herbicidas pré-emergentes como o clorimurom e o diclosulan, tanto nos pós-emergentes como o haloxyfope e cletodim. O clorimurom e o haloxyfope se mostraram mais eficientes em relação a morte rápida das plantas.

Downloads

Publicado

2021-03-26