GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE MILHO TRATADAS INDUSTRIALMENTE

  • Raianny dos Reis Teixeira Faculdade Evangélica de Goianésia
  • Joseanny Cardoso da Silva Pereira Faculdade Evangélica de Goianésia
Palavras-chave: Zea mays L, Tratamento químico, Qualidade fisiológica

Resumo

O tratamento industrial de sementes combina a aplicação de inseticidas, fungicidas, nematicidas, micronutrientes e outros produtos. No entanto, a submissão das sementes a combinação de diversos produtos pode causar fitotoxidade, resultando na redução da viabilidade e do vigor, a qual é diretamente proporcional ao aumento do período de armazenamento do material. Assim, objetivou-se determinar o vigor de sementes de milho e a porcentagem de germinação em substratos quando submetidas a dois tipos de tratamento industrial em função do tempo de armazenamento. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2 x 2 x 2 (dois tratamentos, dois tempos e dois substratos/dois testes de vigor/dois teste de emergência) para os testes de germinação, vigor e emergência. As sementes de milho híbrido foram tratadas com dois tipos de tratamentos industriais: TSI3 (combinação de três produtos - K-Obiol 25 CE, Actellic 500 CE, Maxim Advanced) e TSI4 (combinação de quatro produtos - K-Obiol 25 CE, Actellic 500 CE, Maxim Advanced, Cruiser 350 FS). As variáveis analisadas foram: germinação, vigor e emergência. No teste de germinação, verificou-se que, quando acrescentada a vermiculita, houve maior percentual de germinação em sementes de milho. Quando acrescentado o thiametoxan, a combinação de produtos no tratamento das sementes de milho provocou efeito prejudicial à sua qualidade fisiológica proporcionando redução na germinação e no vigor. As sementes de milho tratadas industrialmente apresentaram redução no vigor quando submetidas ao teste de envelhecimento acelerado após o prolongamento do período de armazenamento.

Publicado
2019-06-03