CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DE MEDICINA EM RELAÇÃO A PREVENÇÃO DE PNEUMONIAS POR ASPIRAÇÃO EM UTI

  • Letícia Dias de Moraes
  • Larissa Stival Cândido
  • Laurisleidy Leal Ferreira
  • Karen Cardoso de Carvalho
  • Dayane de Almeida Brandão
  • Getúlio Souza de Marães

Resumo

A internação na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) afasta o paciente do seu modo de vida cotidiano, incluindo suas relações e seus papéis, afetando sua identidade e autonomia (NASCIMENTO, 2004). Com o comprometimento do seu estado clínico e devido à impossibilidade do autocuidado, a higiene bucal do paciente torna-se precária, levando esse paciente a uma maior susceptibilidade a infecções (CAROLYN, 2007). Rodolfo (2009), confirmou que, pacientes hospitalizados contém patógenos regularmente responsáveis por pneumonia nosocomial e outras doenças respiratórias são encontrados colonizando a mucosa bucal e placa dental destes pacientes. A pneumonia nosocomial é uma das infecções hospitalares (IH) mais prevalentes nas UTI’s (RICHARDS,2000) e está associada a um aumento significativo no período de hospitalização e índices de morbidade e mortalidade (FEIJÓ,2005).

Portanto, visando à obtenção de um perfil da percepção dos cuidados bucais pela equipe de UTI, o intuito da pesquisa foi avaliar o conhecimento dos acadêmicos de Medicina sobre a saúde bucal e sua relação direta com o desenvolvimento da pneumonia hospitalar em pacientes de UTI, à vista disso, será relatado as possíveis complicações em pacientes imunodeprimidos, identificado os procedimentos que possam dificultar a manutenção da saúde bucal e, por fim, demonstrado o quão importante é o papel do CD na manutenção dos cuidados em UTI.

 

Publicado
2019-01-22
Edição
Seção
PBIC - UniEVANGÉLICA