ANÁLISE DE ÁGUA, ALIMENTOS E DA CONDIÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA DE DOIS CENTROS EDUCACIONAIS INFANTIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS, GOIÁS

  • Larissa Amorim SILVA
  • Henrique Augusto NASCIMENTO
  • Raphael Rocha de OLIVEIRA

Resumo

Considerando a educação infantil, os Centros Educacionais Infantis (CEI) são os principais representantes, e no Brasil, principalmente nas grandes e médias cidades, a demanda por esses serviços é grande. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Censo Escolar, no ano de 2000 essas unidades atendiam 916.864 crianças até três anos de idade (BRASIL, 2012). Desse modo, em função da maior urbanização e maior participação feminina no mercado de trabalho, os CEI passaram a ser o primeiro ambiente externo ao doméstico que as crianças frequentam, tornando-se potenciais ambientes de contaminação (PEDRAZA; ROCHA, 2016).

Diante disso, a análise e o monitoramento da qualidade dos alimentos destinados à alimentação de crianças institucionalizadas são de grande relevância. Seu controle inadequado é responsável pela ocorrência de surtos de doenças, provocadas principalmente pela ingestão de microrganismos ou de suas toxinas, causando infecções ou intoxicações.

Publicado
2019-01-23
Edição
Seção
PBIC - UniEVANGÉLICA