EROSÃO HÍDRICA E USO DA TERRA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO VERDE NA MICRORREGIÃO DE CERES – GOIÁS, 2018

  • Victor Augusto dos Santos
  • Maria Gonçalves da Silva Barbalho

Resumo

As transformações ocorridas no Estado de Goiás em meados do século passado em função da expansão da fronteira agrícola trouxeram grandes danos ambientais como a fragmentação de hábitats, extinção da biodiversidade, erosão dos solos, assoreamento, poluição, degradação de ecossistemas, entre outros impactos (KLINK E MACHADO,2005; BARBALHO, et al, 2015; SILVA et al., 2013, entre outros)

Por Fronteira agrícola entende-se a incorporação rápida e intensiva de áreas ao processo produtivo para atender a demanda por alimentos e matérias primas, face ao aumento da população e a necessidade de obter excedentes para exportação (SAWYER, 1983; GOEDERT, 1989).

A degradação do solo é uma das maiores e mais amplas ameaças à biodiversidade. Sua utilização de forma intensiva e manejo deficiente pode levar a erosão dos solos.  É importante mencionar que as práticas agrícolas, com destaque para a região dos Cerrados, incluem o uso extensivo de fertilizantes e calcário (MÜLLER, 2003), os quais poluem os solos, córregos e rios.

Publicado
2019-01-23
Edição
Seção
PBIC - UniEVANGÉLICA