AUTOCONCEITO E QUALIDADE DE VIDA NA OBESIDADE INFANTIL

IMPACTO PARA INFÂNCIA?

  • Ana Luísa Lopes Cabral UniEVANGÉLICA
  • KARLA CRISTHINA ALVES RODRIGUES DE MORAIS UniEVANGÉLICA
  • Priscilla Machado Moraes UniEVANGÉLICA
Palavras-chave: obesidade infantil; autoconceito; qualidade de vida; fatores psicossociais

Resumo

O diagnóstico da obesidade infantil tem se tornado cada vez mais recorrente e, no Brasil, pode ser considerada uma questão de saúde pública. Sabe-se que a causa dessa doença é multifatorial e que, considerando a subjetividade de cada indivíduo, fatores como o autoconceito e a qualidade de vida podem ser afetados. Sendo assim, a presente pesquisa tem por objetivo levantar dados acerca dessa temática, a partir de uma revisão sistemática de periódicos indexados sobre autoconceito e qualidade de vida de crianças com obesidade. Conclui-se que crianças obesas tendem a uma qualidade de vida mais baixa, quando comparadas às crianças não obesas. Quanto ao autoconceito, dentre as dimensões presentes nas variáveis de avaliação desse item, as crianças se vêem de forma positiva e negativa em relação a alguns aspectos dessas dimensões.

 

Biografia do Autor

Ana Luísa Lopes Cabral, UniEVANGÉLICA

GRADUANDA DO CURSO DE PSICOLOGIA

KARLA CRISTHINA ALVES RODRIGUES DE MORAIS, UniEVANGÉLICA

GRADUANDA DO CURSO DE PSICOLOGIA

Publicado
2019-01-24
Edição
Seção
PBIC - UniEVANGÉLICA