Comparação da resposta terapêutico - Laser e ultrassom em pacientes queimados: Revisão Sistemática

  • Alexia Bianca Martins Dantas
  • Alyne Caroline Teixeira da Fonseca
  • Jessiane Lino Campos Passos
  • Julie Angel Almeida Silva
  • Juliana Pereira Agra
  • Lorena Resende Gonçalves
  • Stefanne Marques Rodrigues
  • Pollyana Barbosa de Paula
  • Wesley Coimbra Gimenes
  • Claudia Santos Oliveira
  • Rúbia Mariano Carneiro
  • Rodrigo Franco de Oliveira UniEVANGELICA

Resumo

As queimaduras são responsáveis por mais de 250.000 mortes por ano em todo mundo, de acordo com  Organização Mundial da Saúde (OMS). O tratamento para queimaduras foi encarado como um grande desafio, tanto pela sua gravidade como pela multiplicidade de complicações apresentadas. O objetivo deste trabalho é comparar o efeito e eficácia do laser de baixa potência e do ultrassom de baixa intensidade em pacientes queimados. Os artigos estudados mostram que o laser de baixa potência é mais utilizado como recurso terapêutico e apresenta resultados mais significantes e maior grau de melhora nos pacientes vítimas de queimaduras; embora o ultrassom de baixa intensidade não seja tão utilizado ele traz consigo resultados positivos e também significantes. O resultado da eficácia do laser baixa potência e ultrassom baixa intensidade foi satisfatório. Os dois métodos apresentaram resultados significativos e positivos, em áreas e processos diferentes. O ultrassom melhora a flexibilidade, vascularização potencializa o alívio da dor e diminuição da espessura. O laser foi de grande valia no processo final da cicatrização, mostrou também grande potencial na melhoria da coagulação e aumenta o fluxo sanguíneo na fase inicial.

Publicado
2019-12-03
Seção
XVII Mostra Acadêmida do Curso de Fisioterapia