ENVELHECIMENTO BEM-SUCEDIDO E PARTICIPAÇÃO NA APRENDIZAGEM PARA A TERCEIRA IDADE

  • Amanda Ribeiro Leão
  • Kelly Luana Drodoski
  • Sara Santos
  • Bárbara Luiza Ribeiro Rodrigues
  • Luana Bispo de Assis
  • Leonardo Freitas da Silva
Palavras-chave: Faculdade Aberta da Terceira Idade, Arte, Idoso, Desenho, Relatos de Experiência

Resumo

INTRODUÇÃO
A Faculdade Aberta para da Terceira Idade é um projeto sustentado pelos saberes dos aspectos jurídicos, biológicos, psicológicos, social, digital, cultural e políticos, visando à melhoria de qualidade de vida e à valorização da pessoa idosa, estimulando-a a uma vida ativa e independente na sociedade, a partir do conhecimento de seus direitos, potencialidades cognitivas e de atividades diversas.
O objetivo principal da Faculdade Aberta da Terceira Idade é desenvolver estudos na área da gerontologia, tendo um grupo próprio de estudo e participação de professores em diversas áreas do conhecimento com a finalidade de produção na área do envelhecimento e melhoria da qualidade de vida da pessoa idosa. Os encontros em 2018/1, ocorrem todas as quintas feiras, oportunidade em que há o fomento de pesquisa para sistematização da produção científica.
A metodologia empregada nesta oficina a troca de conhecimento e saberes.
No dia oito do mês de marco de dois mil e dezoito, as quatorze horas nas dependências da faculdade Evangélica de Goianésia (FACEG), ocorreu a segunda aula do primeiro semestre de dois mil e dezoito do projeto Faculdade Aberta da Terceira Idade (FATI). Compareceram os professores: Professora Ma. Luana Assis, Professora. Ma. Bárbara, Professora. Matilde e Prof. Wesley e Profª Fernanda; compareceram os monitores: Luana Nunes de Morais, Sara Santos, Amanda Ribeiro Leão e Kelly Luana.
No início das atividades Professora Luana Assis explicou para os novatos a finalidade do projeto e entrega uniformes e materiais para todos os idosos. Posteriormente a professora Bárbara lembra do Internacional da Mulher, comemorado naquele dia e que ela com todo conjunto de professores presenteia todas as alunas com bombons.
A aula continuou com os professores de administração, Matilde e Wesley que aproveitam e falam da importância da mulher que tem tantas tarefas a serem feitas, nunca param e sempre estão em evolução, se tornando cada dia mais independentes.
Em seguida, apresentam um vídeo relacionado ao assunto, com abertura de espaços para debates em que os alunos participam, com entusiasmo e opiniões ricas de conteúdo. Então começam a discutir o tema da aula: “É preciso ver para crer ou crer para ver”.
Nesse sentido, foi exposto que a auto eficácia é fundamental nos dias de hoje, onde a sociedade só liga para si mesmo e despreza o objetivo dos demais, cabendo somente acreditarem em suas capacidades ou não. Entra em debate a questão tecnológica que se tornou patrocinadora do afastamento entre o convívio das pessoas, o que é lamentável, porque todas as faixas etárias de idade se tornam dependentes do celular. Diante disso o exemplo; até para pedir algo a alguém o que resulta em uma comunicação fraca e sem autonomia.
As alunas se posicionaram sobre o assunto, e destacam que acontece mais do que se imagina, a troca do pessoal pela comunicação através da internet. A reunião é finalizada com o lanche da tarde, fornecido pela padaria Café com Pão, que tem com proprietário e patrocinador do FATI.
REFERENCIAL TEÓRICO O referencial teórico do presente trabalho tem por base a qualidade de vida do idoso.
METODOLOGIA
A metodologia empregada para evidenciar a validade da pesquisa científica é o método dedutivo. Ademais, deve-se os procedimentos metodológicos que possibilitam o desenvolvimento da pesquisa, como técnicas de relados de experiencias vivenciados no dia-a-dia da Faculdade Aberta da Terceira Idade. Este é o espaço da pesquisa, ou seja, é a técnica de como foi desenvolvido o trabalho. Nesse sentido, os autores vêm detalhar, de forma lógica e linear, todas o bem viver demonstrado na Faculdade Aberta da Terceira Idade.
RESULTADOS E DISCUSSÃO
A maioria das idosos são oriundas de escolas públicas ou nunca foram alfabetizadas. A equipe do FATI teve que remodelar o cronograma, com atividades mais dinâmicas, repasse do conhecimento por meio da fala simplificada. O resultado da sensibilização da fala ultrapassou o esperado, houve troca de experiências, apropriação dos saberes, empoderamento e sorrisos. Durante a execução das oficinas, foram atendidos cerca de 50 idosos, mulheres e homens, que compõem a região de aproximação geográfica, sendo que muitas utilizaram transporte privado ou caminharam para acesso às atividades do projeto. O resultado é que o Projeto Faculdade Aberta para a Terceira Idade tem caráter multiplicador e socializador e por meio do ensino, pesquisa e extensão possibilita a sistematização e difusão do conhecimento das questões referentes ao envelhecimento. A presença de alunos da graduação como monitores voluntários fomentou a troca de experiências em caráter formativo e de conscientização para a compreensão da diversidade, respeito (cultural, religioso, geográfico, etc) como elemento que enriquece e contribui para uma formação que priorize o ser humano e seu compromisso ético e responsável.
CONCLUSÕES
A equipe do FATI avalia que muito ainda há para ser feito. As dificuldades de calendário, estrutura, transporte e recursos terminam por limitar ações de grande alcance. A necessidade das idosas por uma alimentação equilibrada e saudável não foi atendida, conforme pactuado entre a FACEG e o município. Além disso, a falta de transporte público municipal que possibilite a locomoção da pessoa idosa até a Faculdade Evangélica de Goianésia no horário dos encontros foi outra dificuldade encontrada.

Publicado
2018-05-17