TRATAMENTO CIRÚRGICO DE FRATURA BILATERAL EM MANDÍBULA ATRÓFICA: RELATO DE CASO

Autores

  • Camila Fiduario Faceg
  • Gabriel do Vale Barros
  • Lucas Fernandes da Matta Sodré
  • Isabella Maria Ribeiro
  • Uander de Castro Oliveira

Palavras-chave:

Mandíbula desdentada. Fraturas Ósseas. Fixação de fratura.

Resumo

INTRODUÇÃO: A atrofia mandibular é uma condição descrita pela reabsorção óssea extensa associada diretamente a perda total ou parcial dos dentes. A população idosa é comumente afetada por fraturas maxilofaciais devido a atrofia mandibular, causada pela perda precoce dos elementos dentários. Sendo assim, caso o paciente da terceira idade seja diagnosticado com esse tipo de lesão o tratamento deverá levar em consideração as características clínicas, condições sistêmicas e aspectos fisiológicos do mesmo, uma vez que estes são considerados fatores determinantes para o prognóstico do traumatismo. OBJETIVOS: O presente trabalho tem como objetivo apresentar um caso clínico cirúrgico de reabilitação de uma fratura complexa bilateral de mandíbula atrófica. METODOLOGIA: Paciente do sexo masculino, 67 anos, compareceu ao Hospital Ortopédico de Ceres em decorrência de uma queda da própria altura. Na anamnese o mesmo relatou queixa de dor na região anterior da mandíbula, dismasesia, estalido ósseo, sensação de formigamento na região de lábio inferior e mal adaptação da prótese. Ao exame físico, paciente apresentou Escala de coma de Glasgow 15, extravasamento de sangue sublingual, inchaço submandibular e submentual bilateral, dificuldade de abertura de boca com cerca 25mm em decorrência da sintomatologia dolorosa, sem indícios de lacerações, sangramento e fratura em base de crânio. Através da Tomografia Computadorizada foi confirmado uma fratura complexa bilateral de mandíbula atrófica. O tratamento se deu por intubação orotraqueal seguindo de cirurgia de redução aberta e fixação interna das fraturas em mandíbula. RELATOS E DISCUSSÕES: A reabilitação de fratura mandibular tem como objetivo principal reconstruir a oclusão funcional e a continuidade da mandíbula. Não há um protocolo definido quanto a escolha da melhor técnica para o tratamento da lesão, onde o planejamento deve ser individual levando em conta as condições sistêmicas e físicas de cada paciente. Além disso, o planejamento deve envolver as características da fratura, acometimento de outras áreas e conhecimento técnico do cirurgião. Quando não diagnosticadas ou tratadas corretamente as lesões podem desenvolver infecções, osteomielite, falta de consolidação óssea, deiscência óssea, mal oclusão, entre outras complicações. Desse modo, o tratamento de fratura em mandíbula atrófica compreende um grande desafio aos cirurgiões, visto que pacientes idosos apresentam capacidade reduzida de reparação óssea e cicatrização tecidual. CONSIDERAÇÕES FINAIS: No presente trabalho o tratamento para fratura em mandíbula atrófica através de redução aberta e fixação dos segmentos se apresentou eficaz, devolvendo estética e funcionalidade ao paciente sem complicações pós operatórias. Portanto, essa técnica é considerada viável devido a fatores já citados.

 

Publicado

2022-10-19