Risco dos integrantes da Faculdade Aberta à Terceira Idade da Faculdade Evangélica de Goianésia de desenvolver doenças cardiovasculares e Diabetes Mellitus Tipo II

  • Tales Cipriano Gomes
  • Mariane Mourato Silva
  • Lais Cardoso do Nascimento Faculdade Evangélica de Goianésia
Palavras-chave: Saúde do Idoso, Saúde Coletiva, Hipertensão Arterial Sistêmica, Diabetes Mellitus, Doenças Cardiovasculares

Resumo

Objetivo: Identificar o risco dos integrantes da Faculdade Aberta à Terceira Idade (FATI) da Faculdade Evangélica de Goianésia de desenvolver doenças cardiovasculares e Diabetes Mellitus (DM) Tipo II. Metodologia: Estudo de campo quantitativo e descritivo, desenvolvido na Faculdade Evangélica de Goianésia, tendo como população os idosos que compõe o FATI.  Foi aplicada a Classificação de Risco Cardiovascular de Framingham e a estratificação do risco de desenvolver diabetes tipo II dentro de 10 anos, onde foi realizada uma ação pelos acadêmicos do curso de enfermagem com coleta de dados, aferição de pressão arterial e medidas antropométricas, como: peso, altura, cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC) e circunferência da cintura (CC). Foi perguntado aos participantes da pesquisa sua idade, se estes apresentavam Diabetes Mellitus, se eram fumantes, qual a regularidade da presença de frutas e vegetais em sua alimentação e da prática de atividades físicas, e estes se faziam uso medicamentoso para hipertensão arterial sistêmica (HAS). A partir desses dados foi aplicada a Classificação de Framingham e a estratificação de risco de desenvolvimento de Diabetes, que através da pontuação obtida chegou em uma resultante para desenvolvimentos de Doenças Cardiovasculares e de DM tipo II futuramente. Os dados levantados foram lançados em planilha Excel, e a análise dos dados se deu por porcentagens e estatística simples. Resultados: Através da análise dos dados concluiu-se que a idade média entre a população de idosos assistido de 65 anos, tendo como idade mínima 51 anos e máxima 80 anos. Através da Classificação de Framingham foi analisado que 50% possui baixo risco para desenvolver doenças cardiovasculares, 22,7% nível moderado e 27,2% apresenta alto índice de desenvolvê-las. Também foi constatado que o risco de se desenvolver DM Tipo II foi 13,6% baixo, 18,1% moderado, 40,9% discretamente elevado, 18,1% alto e 9,0%  muito alto. Em relação à pratica de atividade física 72,7% relataram ser adeptos à pratica e 27,2% assumiram não praticar atividade física diariamente. Com relação a regularidade da ingestão de fruta/vegetais na alimentação 72,7% relataram fazer uso todos os duas de frutas e vegetais em sua alimentação e 27,2% fazem uso às vezes. Conclusão: Em um contexto geral os dados mostram que da população assistida os que não são adeptos ao tabagismo, praticam atividades físicas diariamente e que relatam uma alimentação com frutas e vegetais diariamente tiveram menor índice de desenvolver doenças cardiovasculares e DM, também resultando em valores normativos de pressão arterial e com um IMC dentro dos valores padrões.

Publicado
2019-11-04