AVALIAÇÃO DO ENFERMEIRO FRENTE À UTILIZAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DE MANCHESTER NO SERVIÇO: CLASSIFICAÇÃO DE MANCHESTER NO SERVIÇO

  • Sérgio Sousa Nunes Faceg- Faculdade Evangélica de Goianésia
  • Jamylle Neves Barbosa Moura
Palavras-chave: Classificação de risco, Atendimento, Triagem, Protocolo de Manchester, Enfermeiro.

Resumo

A classificação de risco do Sistema de Manchester é essencial e fundamental no pronto atendimento de urgência e emergência tendo como objetivo principal auxiliar no fluxo de atendimento, com foco na agilidade e precisão, o que diminui o tempo de espera dos demais pacientes (CAMARA, 2015). Justifica-se a escolha desse tema para o trabalho visto que o sistema Manchester está sendo realizado de modo rotineiro pelo profissional de enfermagem, e a sua prática deve ser vista com relevância social e científica. Trata-se de um meio de informações precisas que procede a separação pelo quadro clínico de cada paciente, o que ajuda no processo de atendimento destes (BAPTISTA, 2017). Objetivo: O presente estudo tem como proposta compreender a importância da Classificação de Risco do Sistema de Manchester para o atendimento em urgência e emergência. Métodos: A metodologia utilizada será de caráter quantitativo, onde a coleta de dados será realizada em uma Unidade de Pronto Atendimento UPA localizado na cidade de Goianésia-GO, junto a profissionais de enfermagem que exercem suas atividades laborais na Unidade de Pronto Atendimento – UPA. Tendo-se os seguintes critérios de inclusão: ser profissional graduado em enfermagem e que esteja em exercício de suas atividades na Unidade de Pronto Atendimento – UPA; atuação de no mínimo de 6 (seis) meses na classificação de risco no Protocolo de Manchester; ser residentes do município de Goianésia-GO; possuir condições afetivas e comunicação verbal para participar da entrevista. Os participantes serão convidados através da Carta de Comunicação, e deverão assinar o Termo de Consentimento Livre Esclarecido (TCLE). A coleta de dados ocorrerá no período compreendido entre os meses de novembro e dezembro de 2019. Para viabilização do Método Qualitativo, será empregada a Técnica da Entrevista Semi-dirigida de questões abertas. Este projeto de pesquisa será submetido à apreciação pelo Comitê de Ética de Pesquisa (CEP) da UniEvangélica, e, assim, atender às recomendações da Resolução 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde. O participante também será informado de que a pesquisa envolve riscos, mesmo que mínimos e, quanto, aos benefícios, esses serão de grande importância para sociedade, bem como para a população de Goianésia. Os dados serão analisados à luz da Teoria Humanística. Os resultados qualitativos serão expostos de maneira descritiva e tratados interpretativamente através de gráficos. Resultados esperados: Espera-se através deste estudo avaliar como o enfermeiro utiliza a classificação de risco do Protocolo de Manchester no serviço de urgência e emergência. A pretensão deste trabalho é humanizar, acolher e demonstrar todo o tipo de respeito para com o paciente que busca por um atendimento médico. A classificação de risco que o enfermeiro realiza no momento da triagem é muito importante, pois cada caso possui sua particularidade. Os resultados obtidos poderão ajudar a corrigir possíveis falhas nas orientações para a execução sobre a classificação de risco no protocolo de Manchester, uma vez que serão destacadas as possíveis falhas ou erros de avaliação ou atendimento do enfermeiro com o paciente.

Publicado
2019-11-04