CORRELAÇÃO DA PRÁTICA DE EXERCÍCIO FÍSICO COM ATEROSCLEROSE:

PREVENÇÃO X REMEDIAÇÃO.

  • Sidnei Sanches Nascimento Silva Faculdade Evangélica de Goianésia
  • Marcos Vinícios de Freitas
Palavras-chave: exercício, aterosclerose, saúde

Resumo

INTRODUÇÃO: As doenças cardiovasculares são umas das principais causas de morte no mundo, e a aterosclerose está relacionada à maior parte dessas. Definida por uma alteração nas paredes das artérias, a aterosclerose ocorre por inúmeros fatores, entre os quais se encontram as altas concentrações de triglicérides e colesterol, tanto o LDL-C (baixa densidade) quanto o VLDL-C (muito baixa densidade). Ao se saber saber que, a aterogênese é a criação da aterosclerose, é correto afirmar que, estão sujeitas a essas, as pessoas que, possuem estresse, acúmulo de gorduras (lipídios), dislipidemia, idade, obesidade, tabagismo, alcoolismo, bem como o sedentarismo. Estudos revelam que, a prática regular de exercícios físicos, e a adoção de hábitos de vida saudáveis, reduzem a progressão da doença, e caso não haja o indício dessa patologia, esse tratamento não farmacológico, auxilia de forma significativa na sua prevenção. OBJETIVO: avaliar por meio da literatura a relação do exercício físico como um tratamento não medicamentoso contra a aterosclerose. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo de revisão bibliográfica, o qual utilizou como descritores: Atherosclerosis e Exercise. A partir dos descritores supracitados, e por meio de pesquisas realizadas nas plataformas PUBMED e Scielo, foram encontrados 431 e 44 artigos respectivamente. Após a utilização do critério de inclusão: os artigos completos que, tivessem até 5 anos de publicação, 2015 à 2019; língua português/inglês, restaram Pubmed (143) e Scielo (2). Foi utilizado um artigo do Scielo, e o outro foi excluído por não estar relacionado com este trabalho. Dos artigos do Pubmed, após a leitura de alguns resumos, foram aproveitados 9 artigos, tendo sido feito então, o descarte dos outros 133. RESULTADOS: após a leitura dos artigos, pode-se concluir que, a doença aterosclerose é tida por crônica-degenerativa, porém, com a prática de exercício físico há uma intervenção nos níveis de LDL-C (reduzindo) e HDL-C (aumentando), fazendo com que haja degradação das placas ateroscleróticas, e consequentemente um retardamento da doença. Vale ressaltar que, uma boa parte dos artigos encontrados traz que, os exercícios físicos de caráter aeróbico apresentam mais eficácia em relação ao controle da doença, em função da oxidação de placas orgânicas nos vasos para utilização energética, incidindo assim na reatividade arterial, e redução da espessura/diâmetro média-íntima da parede arterial. CONCLUSÃO: diante do trabalho exposto, conforme foi supracitado, deve-se haver a adoção de hábitos saudáveis de vida no lazer como os exercícios físicos, a fim de garantir a prevenção, remediação, melhoria dos sintomas/riscos e a retardamento da aterosclerose. 

 

Publicado
2019-11-04