PREDIÇÃO DAS PROPRIEDADES DO COMPOSTO BOLDINA ENCONTRADO EM PEUMUS BOLDUS

  • Larissa Gontijo UNIRV
  • Alanna Moreira Borges UNIRV
  • Mayva Luany Oliveira Pires
  • Nathalya Porto Figueiredo
  • Evilanna Lima Arruda
Palavras-chave: boldina, serotonina, atividade

Resumo

Introdução: O Peumus boldus popularmente conhecido como boldo-do-chile é uma planta das regiões central e sul do Chile, sendo consumida no Brasil pelos seus efeitos farmacológicos associados à composição química de suas folhas. Apesar de ser popularmente utilizado como hepatoprotetor, uma de suas ações mais relatada consiste na liberação de Serotonina. Objetivo: Analisar as propriedades bioativas do composto Boldina e toxicidade utilizando métodos in silico.  Metodologia: Foi utilizado o método in silico pelo software PASS online para avaliar a atividade biológica do composto em estudo, sendo esta validada com Pa acima de 0,700 e também, uso do programa GUSAR que realiza uma previsão in silico da toxicidade de compostos, em valores referentes à dose letal (DL50) testados em ratos. Discussões/resultado: As possíveis atividades biológicas do alcaloide boldina, pelo PASS online foram: estimulante de liberação de 5 hidroxitriptamina, com probabilidade de atividade (PA) de 91,9%. Baixos níveis de serotonina levam a alterações no sistema serotoninérgico que podem levar a disfunções do trato gastrointestinal, causando dor ou desconforto abdominal com alterações nas características das evacuações. A análise no GUSAR revelou que a via intraperitoneal apresentou menor toxidade com DL50 de 75,380mg/kg, a via oral com DL50 de 517,400mg/kg, via subcutâneo com DL50 de 307,300mg/kg e DL50 de 33,820mg/kg por via intravenosa. Conclusão: A partir dos resultados obtidos no presente estudo, foi observado que a planta medicinal Peumus boldus, através do seu principal composto boldina, possui boa atividade e estimulante de liberação de serotonina. Apresentando eficiência significativa no controle da motilidade gastrointestinal e manutenção de processos inflamatórios do organismo.

Publicado
2019-11-04