O papel da equipe de enfermagem no cuidado com a saúde bucal de pacientes incapazes de promover o autocuidado

  • Bruna Povoa Ribeiro Faculdade Evangélica de Goianésia
  • Amanda Cristina Ribeiro Gonçalves
  • Brunna Lara Pereira Cardoso
  • Ana Carla Gonçalves vIeira
  • Thamires Fernanda Barbosa Firmiano
  • Elias Emanuel Silva Mota
  • Adelmo Martins Rodrigues
Palavras-chave: higiene bucal, equipe de enfermagem, unidades de terapia intensiva

Resumo

Introdução: É responsabilidade da equipe de enfermagem zelar pela higiene bucal de pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva. A permanência de pacientes nesses locais, por vezes provoca alterações na cavidade oral capazes de modificar o estado geral de saúde destes pacientes.

Infecções que acometem a boca podem afetar todo o organismo de uma pessoa, o que revela a importância de que técnicos e toda a equipe de enfermagem conheçam e executem de maneira correta a higienização desse local, o que seria potencialmente otimizado se a relação entre enfermagem e odontologia fosse mais estreita.

Alguns estudos demonstram a precariedade da saúde bucal em pacientes que permanecem hospitalizados por longo período de tempo, o que torna necessária a implantação de medidas que tenham por objetivo prevenir agravos e recuperar a saúde bucal desses indivíduos.

Material e métodos: O presente trabalho trata-se de uma revisão bibliográfica integrativa, que tem como objetivo demonstrar a importância do cuidado de enfermagem em relação ao paciente hospitalizado que se encontra incapaz de promover o autocuidado. A partir da leitura dos resumos Selecionou-se 11 artigos de um total de 43, sendo estes publicados no período de 2015 a 2018 indexados na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e na base de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe (LILACS). Não foram utilizadas teses, dissertações e revisões de literatura. Dos resultados encontrados foram selecionados apenas artigos brasileiros e escritos no idioma português brasileiro.

Resultados e Discussão: Os artigos encontrados relatam que a situação de vulnerabilidade de pacientes de UTIs, aumentam sobremaneira as responsabilidades do profissional de enfermagem e de toda a sua equipe, já que é ela quem oferece o cuidado que o paciente requer para se restabelecer. Alguns estudos apontaram a grande necessidade de haver um protocolo de higiene bucal padronizado, para que o profissional o tenha como referência e não haja de acordo com as próprias vontades durante o procedimento, realizando a limpeza da forma mais adequada para cada paciente e em conjunto ao uso do antisséptico gluconato de clorexidina 0,12% para potencializar a eliminação de microrganismos. Muitos profissionais conhecem a relação saúde bucal/saúde geral e concordam que uma infecção na boca, pode prejudicar o organismo inteiro, reafirmando o papel essencial que os enfermeiros possuem quando se trata de higiene bucal em pacientes debilitados.

Conclusões: Foi possível observar que apesar da grande necessidade de higienização oral, que pacientes internados possuem, ela nem sempre é realizada da forma como deveria, o que é um problema grave, visto que em alguns casos a falta de cuidado com a boca deixa o indivíduo suscet´ível a adquirir doencas em outros locais do corpo, como no sistema respiratório por exemplo.

 
Publicado
2018-10-24