DESENVOLVIMENTO INICIAL DE CULTIVARES DE BANANEIRA NO MUNICÍPIO DE SANTA RITA DO NOVO DESTINO, GOIÁS.

  • Marcos Cristino Alvarenga FACEG/Egresso
  • Jaferson José da Silveira
  • Anderli Divina Ferreira Rios
Palavras-chave: Musa spp, Caraceres Agronômicos, Fitotecnia

Resumo

A banana (musa spp.) é uma planta frutífera, monocotiledônea, herbácea pertencente à família musaceae, possui caule subterrâneo conhecido como rizoma. Seu pseudocaule é constituído de bainhas foliares e sua copa possui folhas longas e largas. É uma das frutíferas mais apreciada no Brasil e no mundo, pode ser consumida de diversas maneiras, verde ou madura, crua ou processada (cozida, frita, assada e industrializada).

Na região do Vale de São Patrício, o qual está inserido o município de Santa Rita do Novo Destino – Go, tem aumentado o cultivo de banana por pequenos produtores, diante desse aumento de produção faz-se necessário a realização de pesquisas para a possibilidade de introdução de novas cultivares, que possam se adaptar na região, serem produtivas, que tenha boa aceitabilidade pelos consumidores e oferecer bom retorno financeiro aos produtores.

O objetivo deste trabalho foi avaliar o desenvolvimento inicial das cultivares de banana: BRS Platina, Prata Gorutuba, Prata Catarina, BRS Princesa, Maçã e BRS Conquista.

As plântulas de banana das cultivares escolhidas foram adquiridas do laboratório Multiplanta Tecnologia Vegetal LTDA (Andradas – MG), que após a autorização da Agência Goiana de Defesa Agropecuária – Agrodefesa as plântulas (mudas) foram transplantadas em recipientes com capacidade para 0,7 litros e foram preenchidos com substrato composto por 2 partes de solo mineral, 1 de areia e ½ de esterco bovino, ficando por um período de 90 dias para a aclimatação.

O experimento em campo foi instalado em uma propriedade comercial, adotando o delineamento experimental inteiramente casualizado, em esquema fatorial (6 x 4), sendo seis cultivares de banana, quatro épocas de avaliação e três repetições.

Os caracteres agronômicos avaliados foram os seguintes: altura de planta (cm), circunferência do pseudocaule (cm) e número de folhas vivas (un). As avaliações ocorreram aos 15, 51, 74, 106 dias após o transplantio no campo. Os dados foram submetidos à análise de variância, sendo comparados por meio do teste de Tukey a 5%. De acordo com os resultados obtidos todas as cultivares se estabeleceram até os 106 dias após o transplantio.

A cultivar que apresentou o menor desenvolvimento vegetativo em comparação às outras foi a cultivar BRS Princesa, já a cultivar BRS Platina foi a que apontou os melhores resultados para diâmetro do pseudocaule e número de folhas.

Publicado
2018-10-24