Obesidade e Bullying: Um enfrentamento da imagem corporal

  • Stéfani Giacomelli UniRV
  • Giovanna Sorte Moreira UniRV
  • Gabriela Carvalho Rodrigues dos Santos
  • Bruna Freitas Guimarães
  • Adelmo Martins Rodrigues
Palavras-chave: obesidade, bullying, padrão social

Resumo

A obesidade apresenta-se como uma epidemia que afeta 300 milhões de pessoas em todo o mundo. Baseado nisso é perceptível a importância de discorrer sobre ela, bem como suas consequências, sejam elas, fisiológicas ou psicossociais. Quando se trata das consequências fisiológicas, deve-se intimamente associar aos problemas de saúde que essa epidemia pode gerar já que, predispõe o organismo à doenças, como insuficiência cardíaca, diabetes, arteriosclerose, hipertensão cardíaca e aumento da mortalidade e a morte prematura. A obesidade está ainda intimamente ligada à prática do bullying, consequência psicossocial, que significa usar o poder ou a força para intimidar e/ou humilhar alguém. É um tipo de violência e esta, é um problema de saúde pública importante e crescente no mundo, com sérias consequências individuais e sociais. Esses atos se devem principalmente pelo padrão de beleza social, impulsionado pela mídia e comumente visto nas instituições educacionais como forma de status, levando os jovens a terem uma expectativa negativa sobre seus corpos ao ponto de buscarem alternativas extremas para se encaixarem e deixarem de ser alvo dos agressores, dentre as mais comuns temos: cirurgias ilegais, medicações ilícitas e não seguras e a automutilação. Indivíduos considerados obesos tendem a sofrer maior exclusão social e terem inúmeros problemas psicológicos como ansiedade, humor depressivo, culpa, privação e problemas de comportamento alimentar que se agravam com a pratica do bullying. Doravante a isso, se dá a importância da comunicação acerca do assunto, a conscientização sobre os danos morais e físicos que a vítima sofre podem impedir que o mesmo chegue a tomar decisões extremas, tais como o suicídio. Adotar estratégias para combater o bullying como a lei nº 13.185 que, após sua promulgação busca combater qualquer intimidação sistemática no território nacional, são essenciais para um convívio saudável em uma sociedade. Essas estratégias podem ter foco no ensinamento de professores e demais colaboradores da instituição escola, que são, judicialmente responsáveis por assegurar medidas de conscientização, prevenção, diagnose e combate à violência e ao bullying, acertivando seu significado e os malefícios que ele trás à vítima. Nesse contexto cabem acompanhamento psicológico, palestras para pais e filhos estimulando a comunicação entre eles e até programas sociais de combate ao bullying. Essas ações visam o combate dessa prática e à manutenção de uma vida saudável tanto fisiologicamente como psicossocialmente à toda população.

Publicado
2018-10-24