ACURÁCIA E PRECISÃO: ANÁLISE ESTATÍSTICA DE LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS COM VANT E SCANNER

  • Laudnei Ricardo Silva Faculdade Evangélica de Goianésia
  • Roberta Oliveira Aquino Silva Faculdade Evangélica de Goianésia
  • Welington Rosa da Silva
Palavras-chave: eBee, sense Fly, Leica Geosystems, veículo não tripulado

Resumo

Novas demandas de mercado geraram a necessidade de rapidez e   precisão na obtenção e tratamento de dados para a representação da superfície, a topografia aparece como uma ferramenta necessária para a execução dos mais variados tipos de serviços relacionados à engenharia. Neste contexto o presente trabalho visa analisar dois equipamentos topográficos, o scanner e o VANT – Veículo Aéreo Não Tripulado, tendo referencial GNSS RTK(Global Navigation Satellite System), e verificar a confiabilidade dos dados, utilizou-se da análise estatística para obtenção da precisão do levantamento, através de testes de hipótese como Qui-Quadrado e para análise de tendência de dispersão o teste t-Students, analisando o modelo digital de terreno obtido nestes levantamentos e classificando-os de acordo com o Padrão de Exatidão Cartográfico – PEC-PCD, descrito no Decreto Lei nº 89.817/1984.Os materiais utilizados para o levantamento dos dados, foram o VANT e Scanner. O VANT é uma aeronave de asa fixa, modelo eBee, da marca sense Fly, o qual fez possível obter a nuvem de pontos através de sobreposição de fotos, gerando um modelo 3D de superfície. O Scanner da marca Leica Geosystems, modelo C10, propaga feixes de luz na velocidade da luz, onde se determina a distância através do tempo percorrido, estas informações coletadas pelo equipamento geram uma nuvem de pontos, formando um modelo tridimensional do terreno. Foi coletado dentro da área levantada 14 pontos aleatórios com o GNSS RTK e analisados nos mesmos pontos pelos dois equipamentos, com isso foi feito análise do desvio de cada equipamento em relação ao GNSS RTK, do VANT-GNSS os dados coletados houve um desvio padrão, mas através da análise da precisão pelo teste de hipótese como Qui-quadrado, e para análise de tendência de dispersão com o teste t-Students, foi aceito a hipótese nula, com isso obteve-se mais de 95 % de aceitação nos valores encontrados. Do scanner-GNSS os dados coletados houve um desvio padrão, mas através da análise da precisão pelo teste de hipótese como Qui-quadrado, e para análise de tendência de dispersão com o teste t-Students, foi aceito a hipótese nula, com isso obteve-se mais de 95 % de aceitação nos valores encontrados. Os dois equipamentos têm uma precisão próxima do GNSS, aceitáveis dentro da classificação A da PEC – PCD (Padrão de Exatidão Cartográfico) descrito no Decreto Lei nº 89.817/1984, e o que vai indicar a melhor opção de trabalho será a área a ser levantada e análise do custo do equipamento em relação ao serviço executado.

 

Publicado
2018-10-24