Síntese de Nanopartículas de Prata pelo Método de Turkevich Modificado

  • Anielly Monteiro de Melo ITEGO GOVERNADOR OTÁVIO LAGE
  • Francisco Nunes de Souza Neto
Palavras-chave: Nanopartículas de prata, Método de Turkevich, Crescimento e estabilidade coloidal.

Resumo

Nanopartículas metálicas conquistaram significativo interesse científico devido às suas possíveis aplicações industriais. As mesmas apresentam propriedades físico-químicas únicas devido ao aparecimento de níveis discretos de energia em sistemas com dimensões nanométricas. Em especial, as nanopartículas de prata têm despertado um grande interesse cientifíco devido a sua ação antimicrobiana através de sua interação com enzimas, proteínas ou ácido desoxirribonucléico (DNA) impedindo sua reprodução celular.  No presente estudo, nanopartículas de prata foram sintetizadas através do método de Turkevich modificado usando amônia para estabilizar a suspensão coloidal. O objetivo foi investigar o efeito das diferentes temperaturas (80, 85 e 90°C) na síntese de nanopartículas de prata. As partículas de prata foram sintetizadas pelo método de Turkevich, em que consiste na redução da prata na solução de nitrato de prata (AgNO3) com a adição de citrato de sódio (Na3C6H5O7) com relações molares de 1:3, respectivamente. Em um béquer com capacidade volumétrica de 250 mL, foram adicionadas 100,0 mL de água deionizada e aquecida sob agitação constante até as referidas temperaturas. Em seguida, foram adicionados 1,0 mL da solução de AgNO3 (0,1mol.L-1) e posteriormente adicionou-se 1,0 mL de solução de Na3C6H5O7 (0,3 mol.L-1). A mistura foi mantida sob temperatura controlada até o aparecimento da coloração amarela, As amostras foram caracterizadas por UV-Vis e difração de raios-X (DRX) e microscopia eletrônica de transmissão (MET). A cor amarela das suspensões coloidais foi usada como indicação da formação de nanopartículas de prata após a adição do agente redutor. Os espectros de UV-Vis mostraram a banda de plasmônica centrada em aproximadamente 420 nm que é característica das nanopartículas de prata, devido à absorção da radiação eletromagnética em ressonância com plasmons de superfície nos quais essa absorção ocorre em um comprimento de onda em torno de 420 nm [3]. Os difratogramas de raios-X foram atribuídos à presença de estrutura cúbica de nanopartículas de prata, com cristalitos de tamanho médio de 7 ± 2 nm calculados usando a equação de Scherrer e confirmada pela técnica de MET. É possível obter partículas metálicas com estrutura cúbica característica de nanopartículas de prata independentes da temperatura.

Publicado
2018-10-24