LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM PASTAGEM DEGRADADA NA FAZENDA ESCOLA DE GOIANÉSIA-GO.

  • Anielly Monteiro de Melo ITEGO GOVERNADOR OTÁVIO LAGE
  • Lucas Bragança de Souza
  • Jaíza Francisca Ribeiro Chagas
Palavras-chave: Fitossociologia, plantas daninhas, competição, pastagem.

Resumo

A presença de plantas invasoras nas pastagens brasileiras é causada por diversos problemas, dentre os quais se destacam a competição por fatores de crescimento, queda da capacidade e suporte da área, aumento do tempo para a formação da pastagem, ferimento nos animais, envenenamento por plantas tóxicas, erosão, dentro outros. O controle de plantas daninhas é uma necessidade na recuperação de pastagens degradadas. Nesse sentido, objetivou-se com este trabalho, realizar um levantamento fitossociológico, de plantas daninhas em pastagem degradada na fazenda escola, no município de Goianésia estado de Goiás. A área onde foi realizado o levantamento é utilizada para produção de pastagem, que se apresentava em grau acentuado de degradação. O levantamento da comunidade das plantas daninhas foi realizado durante o mês de novembro de 2017. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado com três tratamentos e dez repetições. Á área da fazenda foi dividida em três glebas, as quais foram caracterizadas por apresentar tipos de solos diferentes, constituindo os tratamentos.  A gleba 1 caracterizou-se como solo Latosolo, a Gleba 3 como Argissolo e a gleba 3 como gleissolo. Para o levantamento fitossociológico foi utilizado o método do quadrado do inventário (quadrado de 1m²) lançado aleatoriamente 10 vezes em cada parcela totalizando 30 tratamentos. Foram coletadas um total de 432 plantas invasoras, sendo que na (parcela 1) foram coletadas 103 plantas, (parcela 2) 179 plantas e por fim na (parcela 3) teve um total de 150 plantas coletadas. Encontrou-se um total de oito espécies, classificadas em 7 famílias. A espécie que apresentou as maiores representatividades foram a Turnera uimifolia L., com densidade relativa de 17,59%, frequência absoluta de 1%, frequência relativa de 15,85% e índice de valor de importância de 45,76%, seguida da espécie Mimosa pudica L, com 16,90% de densidade relativa, 0,66% de frequência absoluta, 10,46% de frequência relativa e 45,11% de índice de valor de importância. Esses resultados evidenciam a heterogeneidade da comunidade infestante no local de estudo.

Publicado
2018-10-24