AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA VARIAÇÃO DA CORRENTE ELÉTRICA NO PROCESSO DE SOLDAGEM POR ELETRODO REVESTIDO (SMAW) NO AÇO ABNT 1020

Autores

  • Andrey Claudino de Souza
  • José Waldomiro Rosendo Sanches
  • João Vitor Martins Ramos
  • Marco Antônio de Almeida Alencar
  • Sérgio Mateus Brandão

Palavras-chave:

união de metais, desempenho de processo, qualidade da solda

Resumo

Soldagem é o processo de união de duas partes metálicas com ou sem pressão por meio de uma fonte de calor. A soldagem a arco com eletrodos revestidos é a mais utilizada devido à sua facilidade de uso e soldabilidade em ligas soldáveis e às propriedades mecânicas e metalúrgicas do metal depositado. A corrente elétrica influencia nas características da soldagem com eletrodo revestido, como a aparência visual do cordão de solda e o desempenho da soldagem. A intensidade e distribuição da energia térmica disponível no arco e a maioria dos fenômenos que ocorrem, como baixa penetração, formação de respingos e porosidade. A variação da corrente elétrica é de grande importância na realização do experimento. Definida em 3 níveis específicos, obteve resultado satisfatório em 2 níveis, onde a variação da corrente elétrica se manteve estável verificou-se o melhor arco elétrico, a melhor fluidez e menor geração de respingo. O presente artigo pretende avaliar a influência da variação da corrente elétrica em soldagem por eletrodo revestido (SMAW), utilizando o eletrodo E6013 rutílico em chapas de aço ABNT 1020. Foram soldadas 30 amostras do metal base com o eletrodo revestido, alterando-se a corrente, utilizando a corrente nominal estabelecida através do fabricante do eletrodo, fazendo-se alterações na corrente com valores 10% acima da medida nominal e 10% abaixo da medida nominal. Após a soldagem foram realizadas limpezas nas amostras, e posteriormente inspeções visuais, metalografia, ensaio de dureza e dobramento. Com os resultados obtidos durante a soldagem e com os parâmetros escolhidos, o experimento apresentou manejo fácil, arco estável, baixas perdas por respingo, fácil remoção de escória. A análise metalográfica mostrou que não ocorreram mudanças estruturais significativas nas amostras. No ensaio de dobramento as amostras soldadas com a corrente elétrica nominal estabelecida pelo fabricante e abaixo da corrente nominal apresentaram resultados satisfatórios em relação às amostras soldadas com a corrente elétrica 10% acima da nominal, apresentando trincas.

Referências

Handa Gustiawan, “ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS ELETRODOS E6010 E E6013 UTILIZANDO A SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO EM AÇO ASTM A36,” Αγαη, vol. 8, no. 5, p. 55, 2019.

T. C. Silva and W. A. Pereira, “Entre soldagem TIG e eletrodos revestidos em aço inox,” pp. 1–16, 2013.

C. T. Vaz, I. Felizardo, A. D. Bernardina, A. Q. Bracarense, E. Caires, and P. Pessoa, “Eletrodos Revestidos Impermeáveis do Tipo Baixo Hidrogênio ( Low hydrogen impermeable covered electrodes ),” pp. 2–10.

E. E. Boaden, “COMPARAÇÃO ENTRE O COMPORTAMENTO DE ELETRODOS REVESTIDOS UTILIZANDO DISPOSITIVOS DE SOLDAGEM POR GRAVIDADE E COM CONTROLE AUTOMÁTICO DO COMPRIMENTO DO ARCO ELÉTRICO.,” no. July, pp. 1–7, 2011.

A. L. Filho, “UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Antenor Leonello Filho ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DO PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS NA ESTABILIDADE DO ARCO E,” 2005.

B. Garcia and G. Barrionuevo, “ELETRODO REVESTIDO EM RELAÇÃO A TENSÃO DE TRAÇÃO COMPARATIVE STUDY OF ELECTRODE SOLES BY ELECTRODE COATED IN RELATION TO DRIVE TENSION,” pp. 51–58, 2018.

ESAB, Apostila de metalurgia da soldagem, 2004, Disponível em: <https://www.esab.com.br/br/pt/education/apostilas/upload/1901097rev1_apostilaeletrodosrevestidos_ok.pdf.>. Acessado em 15 de Agosto de 2021.

H. N. Farneze, J. C. F. Jorge, L. F. G. de Souza, and I. de S. Bott, “Estudo comparativo de metais de solda de aço de alta resistência obtidos pelos processos eletrodo revestido e arame tubular para aplicação em equipamentos de amarração offshore,” Soldag. Inspeção, vol. 14, no. 2, pp. 151–160, 2009

A. R. Micalli Jr., J. R. Batalha, R. Razera, and S. L. Mariucci, “Módulo de Tecnologia de Fabricação e Soldagem,” p. 1119, 2002.

P. J. Modenesi, “. Introdução à Física do Arco Elétrico E sua Aplicação na Soldagem dos Metais,” Dep. Eng. Met. e Mater. Univ. Fed. Minas Gerais - UFMG, p. 159, 2004,

N. M. C. S. E. SILVA, “Influência da velocidade e posição de soldagem nas propriedades de juntas soldadas pelo processo de eletrodo revestido.,” J. Chem. Inf. Model., vol. 53, no. 9, pp. 1689–1699, 2013.

R. Noll, “AVALIAÇÃO DA VARIAÇÃO DO CICLO TÉRMICO NA SOLDAGEM DE AÇOS ALTA RESISTÊNCIA E BAIXA LIGA (ARBL),” pp. 1–29, 2000.

T. U. Munchen, “ENSAIO DE TRAÇÃO E METALOGRAFIA DO AÇO SAE 1020,” e-conversion - Propos. a Clust. Excell., pp. 29–50, 2018.

L. Rodrigues, C. dos Santos, R. Veloso, M. Lemos, C. dos Santos, and R. de Freitas Cabral, “Estudo da microestrutura e da microdureza dos aços 1020 e 1060,” Cad. UniFOA, vol. 9, no. 2 (Esp.), pp. 39–44, 2017.

M. de A. Marconi and E. M. Lakatos, FUNDAMENTOS DE METODOLOGIA CIENTÍFICA, vol. 6, no. 11. 1967.

LECHETA, Alex; CONTO, Douglas de. Estudo comparativo de ensaios destrutivos e não destrutivos para concreto. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

COLPAERT, Hubertus et al. Metalografia dos produtos siderúrgicos comuns. Editora Blucher, 2008.

NOVIKOV, Ivan Ivanovich. Teoria dos tratamentos térmicos dos metais. Ed. UFRJ, 1994.

ABNT NBR NM ISO 6508-1. Materiais metálicos - Ensaio de dureza Rockwell, 2019.

SOUZA, S. A. Ensaios mecânicos de materiais metálicos: fundamentos teóricos e práticos. 5 ed. reimpr. São Paulo: Blucher, 2014.

Houle. M; McGuire. R - Casti Guidebook to ASME Section IX - Welding Qualifications Third Edition Vol. 2; Edmonton, Alberta T5H3J7 Canada, Casti Publishing Inc.; Canada; Ano: 2001.

BIOPODI, Ensaio de dobramento, 2016, Disponível em: < https://biopdi.com.br/artigos/ensaio-de-dobramento/.>. Acessado em 20 de Agosto de 2021.

Downloads

Publicado

2022-03-18