O EFEITO DA ESTIMULAÇÃO TRANSCRANIANA ASSOCIADA AO TREINO DE MARCHA EM ESTEIRA SOBRE Á ATIVIDADE MUSCULAR.

  • Lorraine Barbosa Cordeiro Centro Universitario de Anapolis- Unievangelica
  • Isabella Souza Nunes Centro Universitário de Anápolis- UniEVANGÉLICA - Goiás, Brasil.
  • Jamile Benite Palma Lopes Fisioterapeuta. Doutoranda em Ciências da Saúde, Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP), São Paulo, Brasil.
  • Lucas Villalta Santos Fisioterapeuta. Mestre em Ciências da Saúde, Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP), São Paulo, Brasil.
  • Filipe do Carmo Silva Fisioterapeuta. Com especialização em Fisioterapia Neurofuncional, atuando no Centro Especializado de Reabilitação CER III, Anápolis, Goiás, Brasil.
  • Claudia Oliveira Santos Fisioterapeuta. Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília (UNB), Docente do Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA, Goiás, Brasil.
Palavras-chave: Paralisia Cerebral. Estimulação Transcraniana por Corrente Continua. Eletromiografia.

Resumo

Introdução:

            A Paralisia cerebral (PC) é uma lesão cerebral primária que é permanente com comprometimento motor o qual gera uma biomecânica anormal do corpo. A estimulação transcraniana por corrente continua (ETCC) altera o padrão de neuroplasticidade desaptativo que surge após uma lesão no córtex gerado pela PC em associação com treino de marcha pode gerar diversas melhorasr1-3.

Objetivo:

            Investigar se a ETCC pode potencializar o treino de marcha sobre os parâmetros à atividade muscular durante a marcha de uma criança com paralisia cerebral.

Materiais e Métodos:

            Uma criança de 8 anos de idade diagnosticada com PC hemiparética espástica esquerda, submetida a um treino ETCC associada ao treino de marcha.

            As avaliações do voluntário consistiu na análise dos músculos tibial anterior, reto femoral, semitendinoso e gastrocnêmio direito e esquerdo usando o dispositivo de Eletromiógrafo com uma taxa de amostragem de 1KHz, sendo avaliados pré e imediatamente após o término da intervenção.

            A intervenção consistiu em uma única de 20 minutos com a ETCC associado ao treino de marcha em esteira, e os instrumentos foram quantificados e analisados pelo e “FREEEMG1000 protocols functional”.

Resultados:

            E possível observar melhora nos parâmetros musculares na comparação em tempos os músculos apresentaram mínimo recrutamento muscular e uma menor amplitude do sinal durante a marcha em ambos os lados, e todos os músculos oscilaram sua ativação em relação ao tempo da passada, após a intervenção observou-se um aumento no recrutamento dos músculos devido ao aumento da ativação muscular e à diminuição do tempo de resposta e recrutamento muscular.

Conclusão:

            Os resultados desse estudo corroboram com a literatura4 que associação do treino de marcha com ETCC pode aumentar a ativação muscular e diminuir o tempo de resposta muscular, e no mesmo sentido potencializar a qualidade dos parâmetros espaço temporal, contribuindo para a independência dessa população durante a marcha.

Publicado
2020-01-02