OBTENÇÃO DO EXTRATO DE Anadenanthera falcata (ANGICO) E AVALIAÇÃO DO DANO GENOTOXICO DESTE EXTRATO SOBRE Candida albicans

  • Renata Rezende Magalhães
  • Gilmar Aires da Silva
  • Carlos de Melo Silva Neto
  • Renata Silva do Prado

Resumo

Nos últimos anos, fatores como o aumento do número de indivíduos imunocomprometidos e o uso indiscriminado de antifúngicos, favoreceram o aparecimento de resistência fúngica às principais drogas utilizadas no tratamento de infecções (VIEIRA, 2009).

Grande parte dos antifúngicos usados atualmente no tratamento de infecções apresenta características desfavoráveis para o paciente, como a toxicidade (ABAD; ANSUATEGUI; BERMEJO, 2007). As infecções causadas por fungos são a quarta principal causa de infecções adquiridas em hospitais por pacientes imunodeprimidos nos Estados Unidos. Já no Brasil, infecções fúngicas causadas pelo gênero Candida são responsáveis por 80% das infecções registradas. Entre os anos de 1996 e 2006, cerca de 12% das mortes causadas por micoses sistêmicas foram provocas por candidíase (PRADO et al., 2009). Esse fato, acrescido da resistência antifúngica, mostra a necessidade de estudos que busquem métodos mais eficientes para se combater tais patógenos.

O Cerrado, segundo maior bioma brasileiro, ocupa aproximadamente 2 milhões de Km2, representando cerca de 23% do território brasileiro. Possui uma vasta diversidade taxonômica, contando com mais de 7000 espécies de plantas. Dessas espécies, diversas apresentaram atividade contra vários microrganismos, desde bactérias como Staphylococcus aureus e Escherichia coli até fungos como Cryptococcus neoformans (VIOLANTE, 2008). Assim, torna-se indispensável à busca por compostos oriundos dessas plantas que apresentem atividade contra fungos patogênicos para o homem.

Publicado
2019-01-23