USOS DA ÁGUA NA MICRORREGIÃO DE CERES (GO) E POTENCIAIS CONFLITOS: UMA ANÁLISE GEOESPACIAL

  • Renato Arthur Franco Rodrigues
  • Cristiane Gomes Barreto
Palavras-chave: conflitos socioambientais, recursos hídricos, análise geoespacial, microrregião de Ceres.

Resumo

O objetivo deste trabalho é avaliar a intensidade de consumo de água em diferentes bacias da Microrregião de Ceres e, a partir disso, estimar quais municípios passam por riscos potenciais mais severos de disputas acerca do uso dos recursos hídricos, considerando as diferentes atividades e setores. Dessa maneira, o presente trabalho contribui para a compreensão sobre os conflitos socioambientais em torno dos recursos hídricos na microrregião de Ceres (GO). O presente estudo teve como método, a avaliação das demandas hídricas estimadas pelo Sistema Nacional de Informações em Recursos Hídricos (SNIRH) em conjunto com dados espaciais de produção sucroalcooleira provenientes do projeto CanaSat, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e do Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento (LAPIG). Vale ressaltar que não há informações relevantes de conflitos registrados para a Microrregião no que se refere aos dados compilados pela Comissão Pastoral da Terra, que reúne o principal banco de dados a respeito desse assunto no País. Os resultados apontam, com base nos dados disponibilizados pelo SNIRH, que os usos consuntivos são: urbano, rural, industrial, irrigação, criação de animais e industrial. Desta maneira, verificou-se que em média, 4,44% das demandas das bacias inseridas na microrregião de Ceres são destinadas ao consumo das áreas urbanas. Esse valor é superior ao consumo dos aglomerados rurais (2,88%) e do consumo industrial (0,65%). O restante das demandas estão concentradas na irrigação (30,52%) e dessedentação animal somada a outros usos (61,51%). Foram calculados os coeficientes de correlação dos valores de vazão setoriais em relação à demanda total, para uma análise exploratória inicial. O único setor que apresentou correlação significativa (r=0,997, n=309) foi o de irrigação, o que pode sugerir que é nas bacias onde há maior presença dessa atividade é que também vai ter uma maior demanda total pela água. Os outros usos apresentaram valores pouco expressivos de correlação, variando de r=0,137 para a vazão rural, r=0,210 para a industrial, r=0,149 para a urbana e r=0,11 para animais. A área da bacia também foi analisada e não mostrou correlação significativa com a demanda total (r=0,26, n=309). Dessa forma, foi identificado que apesar do uso intensivo de recursos hídricos para a irrigação das lavouras canavieiras, outras culturas têm se expandido na microrregião e ocasionado o aumento pela demanda hídrica. As pesquisas sobre conflitos socioambientais precisam observar, também, o papel das outras culturas agrícolas nos eventuais embates acerca da água.

Referências

BARBANTI, JR. O. Conflitos socioambientais: teorias e práticas. In: I Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade. Indaiatuba, 2002.
CASTILHO, Denis. A Colônia Agrícola Nacional de Goiás (CANG) e a formação de Ceres-GO-Brasil. Élisée-Revista de Geografia da UEG, v. 1, n. 01, p. 117-139, 2012.
CASTRO, Selma Simões de et al. A expansão da cana-de-açúcar no cerrado e no estado de Goiás: elementos para uma análise espacial do processo. 2010.
COMISSÃO PASTORAL DA TERRA, 2016. Conflitos pela Água 2016. Disponível em: Acesso em: 28 de novembro de 2017.
DAS CHAGAS, Arley Henrique Borges et al. Gestão das Águas no Estado de Goiás: Perspectivas para a participação da Universidade na instalação e atuação do Comitê das Bacias Hidrográficas do Rio das Almas e Afluentes Goianos do Rio Maranhão. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, v. 6, n. 2, p. 147-166, 2017.
DUTRA, Sandro et al. A Expansão Sucroalcooleira e a Devastação Ambiental nas Matas de São Patricio, Microrregião de Ceres, Goiás. História, histórias, v. 1, n. 2, p. 230-247.
FERREIRA, Lara Cristine Gomes. As paisagens regionais na Microrregião Ceres (GO): das colônias agrícolas nacionais ao agronegócio sucroenergético. 2016. 296 f., il. Tese (Doutorado em Geografia) — Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
IBGE, 2018. Produção Agrícola Municipal. https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1612
LITLLE, Paul E. Os conflitos socioambientais: um campo de estudo e da ação política. In: BURSZTYN, M. A Difícil Sustentabilidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2001. P:107-122.
NASCIMENTO, E. Os conflitos na sociedade moderna: uma introdução conceitual. In: BURSZTYN, M. A Difícil Sustentabilidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2001. P: 85-105.
PORTO, M. F. MILANEZ, B. Eixos de desenvolvimento econômico e geração de conflitos socioambientais no Brasil: desafios para a sustentabilidade e a justiça ambiental. Ciência & Saúde Coletiva 2009, 14 (6).
SAUER, Sérgio; PIETRAFESA, José Paulo. Cana-de-açúcar, financiamento público e produção de alimentos no cerrado. 2012.
VICTORINO, Valério Igor P. Monopólio, conflito e participação na gestão dos recursos hídricos. Ambient. soc., Campinas, v.6, n. 2, p. 47-62, dez. 2003. Acesso em: 28 de novembro de 2017.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA