SOCIOBIODIVERSIDADE NO CERRADO GOIANO: A RESERVA EXTRATIVISTA LAGO DO CEDRO

  • Bruno Augusto de Souza
Palavras-chave: Cerrado, Sociobiodiversidade, Reserva Extrativista Lago do Cedro

Resumo

Esta pesquisa tem como foco o contexto de criação de uma Reserva Extrativista (Resex) no estado de Goiás, a Resex Lago do Cedro, localizada no município de Aruanã (GO). O objetivo da pesquisa é: Compreender como a criação de uma Reserva Extrativista é benéfica para a proteção da sociobiodiversidade do Cerrado goiano em sua localização específica. A metodologia utilizada foi: revisão bibliográfica e geoprocessamento. A discussão por nós realizada em torno dessa Unidade de Conservação gravita na questão de conservação da sociobiodiversidade, importante para os seres que a utilizam para sustento e sobrevivência. Por ser uma pesquisa geográfica, utilizamos algumas categorias para explicar o fenômeno que acontece no “real”. As categorias utilizadas são paisagem e território, pois aplicamos uma abordagem territorial do Cerrado como proposta analítica e reconhecemos que tais categorias subsidiam nossa análise. Tal abordagem é fundada em fatos concretos que atestam as contradições existentes no território do Cerrado. Especificamos que na segunda metade do século XX, esse território foi enormemente alterado, muito em função da Revolução Verde, que drasticamente modificou as técnicas de plantio e colheita, degradando o Cerrado rapidamente e prejudicando as formas de sobrevivência para os seres humanos, animais e vegetais. A Resex Lago do Cedro é uma das duas Reservas Extrativistas do estado de Goiás, se torna referência no aspecto de conservação ambiental, e esperamos que em um futuro próximo se torne referência também na questão fundiária para os beneficiários cadastrados na área.

Referências

BRASIL. Decreto nº 98.897, de 30 de janeiro de 1990. Dispõe sobre as reservas extrativistas e dá outras providências. Disponível em . Acesso em out./2017a.

BRASIL. Decreto s/n, de 11 de setembro de 2006. Dispõe sobre a criação da Reserva Extrativista Lago do Cedro, localizada no município de Aruanã, estado de Goiás, e dá outras providências. Disponível em . Acesso em nov./2017b.

CASTILHO, Denis; CHAVEIRO, Eguimar Felício. Por uma análise territorial do Cerrado. In: PELÁ, Márcia; CASTILHO, Denis (orgs.). Cerrados: perspectivas e olhares. Goiânia: Editora Vieira, 2010, p. 35-50.

COSGROVE, Denis. A Geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (orgs.). Paisagem, Tempo e Cultura. – 2 ed. – Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004, p. 92-123.

GOMES, Paulo Cesar da Costa. Sobre territórios, escalas e responsabilidade. In: HEIDRICH, Álvaro Luiz; COSTA, Benhur Pinós da; PIRES, Cláudia Luísa Zeferino; UEDA, Vanda (orgs.). A emergência da multiterritorialidade: a ressignificação da relação do humano com o espaço. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008, p. 37-45.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

SOUZA, Bruno Augusto de. Drásticas alterações na sociobiodiversidade do Cerrado: o contexto de criação das Reservas Extrativistas no estado de Goiás. Building the Way, v. 8, n. 1, p. 4-15, 2018.

SOUZA, Marcelo José Lopes de. Território e (des)territorialização. In: SOUZA, Marcelo José Lopes de. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013, p. 77-110.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA