PARQUES URBANOS: O CASO DO PARQUE DE USO MÚLTIPLO DA ASA SUL, DISTRITO FEDERAL

  • Nayane Martins de Araújo
  • Cristiane Gomes Barreto
Palavras-chave: Parques Urbanos, Parque da Asa Sul, percepção ambiental, uso público, Cerrado

Resumo

A temática sobre Parques Urbanos ganhou um papel central no planejamento urbanístico nos últimos anos. Por desempenharem funções, benefícios e serviços ao meio ambiente e à sociedade, tornam-se fundamentais no cenário das grandes cidades. Este trabalho tratará brevemente da história evolutiva dos parques urbanos no mundo e no Brasil, e, especialmente, do Parque de Uso Múltiplo da Asa Sul, buscando discorrer da sua criação e analisar o perfil de seus visitantes, bem como a percepção em relação ao parque. A maior parte dos usuários do Parque de Uso Múltiplo da Asa Sul, especialmente os frequentes, são moradores que vivem muito próximos ao parque, são predominantemente adultos e idosos, com alta formação escolar, que buscam, prioritariamente, caminhar e praticar as mais diversas atividades físicas. Em contrapartida, aqueles que não o visitam é, em parte, porque o desconhecem ou porque não se sentem seguros em suas dependências. Ademais, as demandas quanto à recuperação de áreas degradadas ou outros serviços que prestem à melhoria da qualidade ambiental do parque são tratadas como de menor importância. Portanto, com esse estudo, concluiu-se que boa parte das pessoas visita o parque com intuito de praticar atividades físicas e não necessariamente pelos atrativos naturais, demonstrando que para um planejamento correto dos parques urbanos, é necessário atentar-se às principais demandas dos potenciais usuários, incluindo a segurança.

Referências

Albuquerque, M. Z. (2006). Espaços livres públicos inseridos na paisagem urbana: memórias, rugosidades e metamorfoses: estudos dos parques e do Tiergarten, Berlim-Alemanha. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Pernanbuco, Recife.
Brasil. (2000). Ministério do Meio Ambiente (MMA). Lei n. 9.985, de 18 de Julho de 2000. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.
Brasil. (2012). Ministério do Meio Ambiente (MMA). Áreas verdes urbanas. Disponível em:. Acesso em 21 de outubro de 2017.
Coelho, R. E. M. (2017). Criação do Parque de Uso Múltiplo da Asa Sul. (Arquivo pessoal).
Department of Transportation’s National Highway Traffic Safety Administration and the Bureau of Transportation Statistics (2008). National Survey of Pedestrian and Bicyclist Attitudes and Behavior, 2002. Obtido de http://www.lakesumtermpo.com/pdfs/bpac/Bicycle_and_Pedestrian_Behavior_Summary_Report.pdf. Acesso em: 03 de abril de 2018.
Ferreira, A. D. (2005). Efeitos positivos gerados pelos parques urbanos: o caso do Passeio Público da Cidade do Rio de Janeiro. Niterói. (Dissertação em Mestrado). Universidade Federal Fluminense, Niterói.
Gomes, M. A. S. (2014). Parques urbanos, políticas públicas e sustentabilidade. Mercator, 13 (2), 79-90.
Hildebrand, R. et al. (2001). Distância e deslocamento dos visitantes dos parques urbanos em Curitiba-PR. Floresta e Ambiente, 8 (1), 76-83.
Loures L., Santos R. & Panagopoulos T. (2007). Urban Parks and Sustainable City Planning – The Case of Portimão, Portugal. Wseas Transactions on Environment and Delelopment. 3 (10), sp 2007.
Macedo, S. S. & Sakata, F. G. (2003). Parques Urbanos no Brasil = Brazilian Urban Parks. 2ª ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Imprensa Oficial da Universidade de São Paulo.
Maymone, M. A. (2009). Parques urbanos - origens, conceitos, projetos, legislação e custos de implantação estudo de caso: parque das nações indígenas de campo. (Dissertação em mestrado). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande/MS.
Pimenta, N. C. et al. (2013). Ecossistemas urbanos e a conservação da biodiversidade: benefícios sociais e ambientais do Parque de Uso Múltiplo da Asa Sul. IV Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Salvador/BA.
Reis, R. S. (2001). Determinantes Ambientais para a Realização de Atividades Físicas nos Parques Urbanos de Curitiba: Uma Abordagem Sócia Ecológica da Percepção dos Usuários. (Dissertação de mestrado). Centro de Desportos da Universidade de Santa Catarina. Florianópolis, SC.
Silva, J. B. & Pasqualetto, A (2013). Os caminhos dos parques urbanos brasileiros: da origem ao século XXI. Estudos, 40 (3), 287-298.
Szeremeta, B. & Zannin, P. H. T. (2013). A importância dos parques urbanos e áreas verdes na promoção de qualidade de vida na cidade. Espaço Geográfico em Análise, 29, 177-193.
Tomiazzi, A. B., Villarinho, F. M. & Macedo, R. L. G, & Venturin, N. (2018). Perfil dos visitantes do parque natural municipal do Mendalha, município do Rio de Janeiro - RJ. CERNE, 12 (4), 406-411.
Triola, M. F (1999). Introdução à Estatística. 7ª. Ed. Rio de Janeiro: LTC.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA