FITOQUÍMICA FOLIAR DE Justicia nodicaulis (Nees) Leonard (ACANTHACEAE) OCORRENTE EM CERRADO GOIANO

  • Joel Francisco de Moura
  • Marcos Rodrigo Beltrão Carneiro
  • Josana de Castro Peixoto
Palavras-chave: fitoquímicos, plantas medicinais, Cerrado, Justicia

Resumo

A família Acanthaceae possui em média 240 gêneros e 3.240 espécies distribuídas de forma pantropical, dentre esta família, o gênero Justicia. Na medicina popular, através de registros etnobotânicos e fitoquímicos, pode-se identificar, que, este gênero contribui abundantemente na utilização entre as populações e possui um grande interesse etnobotânico. Dentre a fitoquímica mais ocorrente no gênero Justicia são relatados a presença de lignanas, flavanóides, terpenóides e alcalóides, que são de grande importância na farmacologia. Neste estudo, o objetivo consistiu em observar e registrar as principais classes de metabólitos secundários das estruturas foliares da espécie Justicia nodicaulis (Nees) Leonard, ocorrente na área de Preservação Ambiental na Unidade Experimental do Centro Universitário de Anápolis – GO. No que se refere a metodologia de coleta, foram reunidas porções de folhas jovens (proporção de tamanho menor) e adultas (proporção de tamanho maior), sendo preferivelmente extraídas descensionalmente do terceiro nó, identificadas logo abaixo da extremidade da espécime, foram coletadas amostras, de 10 espécimes de J. nodicaulis (Nees) Leonard em cada agrupamento ao longo do córrego da área experimental do Centro Universitário de Anápolis. Materiais que foram adquiridos com o objetivo de realizar a prospecção fitoquímica, como também, o levantamento dos óleos essenciais, as folhas foram secas ao ar durante sete dias até peso constante. Para obter a análise qualitativa das classes de metabólicos secundários mais ocorrentes na espécie, foram utilizadas metodologias amoldadas descritas nas literaturas da ciência da fitoquímica. Entre os resultados, foram obtidos nas folhas novas e adultas, cumarinas, taninos, heterosídeos antraquinônicos, flavonóides, cardioativos e saponínicos. Entre o levantamento dos óleos essenciais foram obtidos 49 integrantes mais ocorrentes da literatura analisada.

Referências

ADAMS, RP. Identification of essential oil components by gas cromatography/mass spectroscopy. Carol Streams: Allured Publ., 69p. 1995.
ADAMS, R. P.; Identification of Essential Oil Components by Gas chromatography/Mass Spectrometry, 4th ed., Allured: Illinois. 2007.
BELAICHE, T.; TANTAQUI-ELARAKI, A.; IBRAHIMY, A. Application of a two levels factorial design to the study of the antimicrobial activity of three terpenes. Sciences Aliments. vol. 15, p. 571-578. 1995.

COSTA, A.F. Farmacognosia. 3 v. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

COSTA, M. C. C. D. Uso popular e ações farmacológicas de Plectranthus barbatus Andr. (Lamiaceae): revisão dos trabalhos publicados de 1970 a 2003. Revista Brasileira Planta Medica, Botucatu, vol.8, n.2, p.81-88. 2006.

ELISABETSKY, E., MARSCHNER, J., SOUZA, D. O. Effects of linalool on glutamatergic system in the rat cerebral-cortex. Neurochemical Research, vol. 20, p. 461-465. 1995.

ELISABETSKY, E., BRUM, L. F., S., SOUZA, D. O. Anticonvulsant properties of linalool in glutamate-related seizure models. Phytomedicine, vol. 06, p. 107-113. 1999.

FALCÃO, D. Q. ; MENEZES, F. S. Revisão etnofarmacológica, farmacológica e química do gênero Hyptis. The Hyptis nus: an ethnopharmacological and chemical review. Revista Brasileira de Farmácia, vol.84, n. 3, p. 69-74. 2003.

FERRACINI, V. L. Óleos essenciais de Baccharis e sua interação com insetos polinizadores. Tese (Doutorado)-Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas. 1995.

GOTTLIEB, O. R., FINEBERG, M., GUIMARÃES, M. L., MAGALHÃES, M. T., MARAVALHAS, M. Associação brasileira de pesquisa sobre plantas aromáticas e óleos essenciais. Boletim 11, p. 1-13. 1965.
GOTTLIEB, O. R.; KAPLAN. M. A. C.; BORIN, M. D. E & M. B. Biodiversidade, um enfoque químico-biológico. Rio de Janeiro: UFRJ. 1996.

HEYWOOD, V. H. Flowering plants of the world. London: Croom Helm, 1985.

JIROVETZ, L.; BUCHBAUER, G. SCHMIDT, E.; STOYANOVA, A.S.; DENKOVA, Z.; NIKOLOVA, R.; GEISSLER, M. Purity, Antimicrobial activities and olfactoric evaluations of Geraniol/Nerol and various of their derivatives. Journal of Essential Oil Research, vol. 19, p. 288-291. 2007.

JOSEPH, H.; GLEYE,J.; MOULIS,C.; MENSAH,L. J.; ROUSSAKIS,C.; GRATAS, C. Justicidin B, a Cytotoxic Principle from Justicia pectoralis. J. Nat. Prod., 1988, 51 (3), pp 599–600, 1988.

MATOS, F. J. A. Introdução à fitoquímica experimental. Focaliza: UFC, n. 128, p. 1988.

MATOS, J. M. D.; MATOS, M. E. Farmacognosia. Fortaleza: UFC, 1989.

POLZERNHEIM, M. C. L., BIZZO, H. R., VIERA, R. F. Análise dos óleos essenciais de três espécies de Piper coletadas na região do Distrito Federal (Cerrado) e comparação com óleos de plantas procedentes da região de Paraty, RJ (Mata Atlântica). Revista Brasileira de Farmacognosia Brazilian Journal of Pharmacognosy, vol.16, n. 2, p. 246-251, Abr./Jun. 2006.

PRATES, H. T., Leite, R. C., Craveiro, A. A., Oliveira, A. B. Identification of some chemical components of the essential oil from molasses grass (Melinis minutiflora Beauv.) and activity against Cattle-tick (Boophilus microplus). Journal of the Brazilian Chemical Society, vol. 9, n. 5, p. 193-197. 1998.

RODRIGUES, V.E.G.; CARVALHO, D.A. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais no domínio do cerrado na região do Alto Rio Grande – Minas Gerais. Ciência e Agrotecnologia, v.25, n.1, p.102-123, 2001.

SARTIN. R.D., O gênero Justicia L. (Acanthaceae) no Estado de Goiás, 2015, Pag. 08. Teses e Dissertações, biblioteca digital USP.

SILVA SANTOS, A; BIZZO, H. R.; ANTUNES, A.M.S.; D’avila, I. A. A proteção patentária na utilização de óleos essenciais e compostos terpênicos para o desenvolvimento tecnológico e industrial. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. 8(4): 14-22. 2006.

VENÂNCIO, E. T. Estudo dos efeitos comportamentais e neuroquímicos do extrato padronizado de Justicia pectoralis (chambá) em camundongos. 200f. Mestrado em Farmacologia, Universidade Federal do Ceará, 2009.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA