ESTUDO DE CASO: RECUPERAÇÃO DA PRINCIPAL NASCENTE DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE, NA SUB-BACIA DO CÓRREGO DAS PEDRAS, EM OURO VERDE DE GOIÁS, GO.

  • Maria Andréia dos Santos Jaime
  • Josana de Castro Peixoto
Palavras-chave: Ribeirão João Leite, Nascentes, Recuperação

Resumo

A bacia hidrográfica do Ribeirão João Leite possui um grande reservatório de água responsável pelo abastecimento de Goiânia e parte de sua região metropolitana e está bastante degradada pela ação do homem. A bacia é composta por oito municípios, dentre eles está Ouro Verde de Goiás, GO, onde o estudo de caso foi realizado, na sub-bacia do Córrego das Pedras (microbacias da Serra do Sapato Arcado). O estudo de caso teve por objetivo fazer um diagnóstico da situação atual das nascentes, cujos trabalhos de recuperação se iniciaram em 2003, após os proprietários terem recebido visita da equipe da DEMA (Delegacia do Meio Ambiente), sob o comando do Doutor Luziano Severino de Carvalho, delegado do meio ambiente, que estava fazendo um trabalho de conscientização e alerta aos proprietários rurais da região de Ouro Verde Goiás, GO sobre a importância da recuperação e proteção das nascentes, informando que o conjunto de nascentes situadas naquela região fazia parte da Bacia Hidrográfica do Ribeirão João Leite, e que a nascente situada naquela propriedade era a principal do Ribeirão João Leite. A metodologia empregada foi a avaliação macroscópica visual, que diagnosticou que a técnica de cercamento e reflorestamento empregados pelos proprietários trouxeram externalidades positivas (aumento da cobertura vegetal, descompactação do solo, e aumento do fluxo de água).

Referências

BRASIL, Lei n° 4.771, de 15 de setembro de 1965. Código Florestal Brasileiro. Diário
Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 1965. Disponível em: Acesso em: 06
set. 2009.
BRASIL, DECRETO Nº 24.643, DE 10 DE JULHO DE 1934. Código de águas. Diário
Oficial da República Federativa do Brasil, Rio de Janeiro, 1965. Disponível 46 em: Acesso
em: 02 out. 2018.
BRASIL, RESOLUÇÃO CONAMA nº 303/302, de 20 de março de 2002. Áreas
Protegidas – Áreas de Preservação Permanente. Diário Oficial da República Federativa
do Brasil, Publicada no DOU n° 90, de 13 de maio de 2002, Seção 1, p. 68. Disponível
em: Acesso em: 02 out. 2018.
CALHEIROS, Rinaldo de Oliveira; TABAI, Fernando César Vitti; BOSQUILIA, Sebastião
Vainer; CALAMARI, Márcia. Preservação e recuperação das nascentes de água e
vida. Cadernos da Mata Ciliar/ Secretaria do Estado do Meio Ambiente, departamento de
proteção da biodiversidade. SãoPaulo,2009. Disponível
m:http://www.sigam.ambiente.sp.gov.br/sigam2/Repositorio/222/Documentos/Cader
nos_Mata_Ciliar_1_Preservacao_Nascentes.pdf. Acesso em: 29 set. 2018.
CARDIM, Ricardo. Árvores de São Paulo. São Paulo 2015. Disponível em
http//arvoresdesaopaulo.wordepesss.com2015/04/07/o-capim-braquiria.pdf. Acesso em 27
set. 2018.
CARDOSO, Rafael Said Bhering; PIRES, Lucas Valente Pires. Voçorocas: processos
de formação, prevenção e medidas corretivas. WORDPRESS, 2009.
Disponível:http://www.geo.ufv.br/simposio/simposio/trabalhos/trabalhos_completos/ei.pdf.
Acesso em: 30 set. 2018.
CIDADE SUSTENTÁVEL. Uso e ocupação do solo e seus impactos ambientais.
Disponível em http://www.mpto.mp.br/static/caops/meio-ambiente/files/files/cartilhacidade-sustentavel-bem-estar-para-todos_1.pdf.
Acesso em: 30 set. 2018.
DANTAS, Marcelo. Ribeirão João Leite: 23 nascentes sem chance de recuperação.
Jornal Opçao online, fev 2015 Disponível em http://www.jornalopcao.com.br/ultimasnoticias/ribeirao-joao-leite-23-nascentes-sem-chance-de-recuperar.
Acesso em 30 set.
2018
DUARTE, Francinete Veloso; FERNANDES, Luiz Arnaldo; MENDES, Marilda Teixeira;
ROCHA, Jussara Machado Jardim; MONÇÃO, Kátia Maria Gomes; GOMES, Robson
Duarte; FERREIRA, Cleidson Soares; VELOSO, José Nilson; ALMEIDA, Pascoal Pereira
de. Projeto olho d'agua: preservação e recuperação de nascentes. Anais do 2º
Congresso Brasileiro de Extensão Universitária. Belo horizonte, 2004.
Disponível:https://www.ufmg.br/proex/arquivos/7Encontro/Meio28.p df. Acesso em: 02 set.
2018
FERRIS, Valdemir. Caracterização e proposta de adequação ambiental das
nascentes da propriedade rural Cabeceira Sol e Ouro no município de MedianeiraParaná.
União Dinâmica de Faculdade Catarata. Foz do Iguaçu, 2009. Disponível em:
http://www.udc.edu.br/monografia.
GRAZIANO, F. et al. Cadernos da Mata Ciliar. São Paulo, 2009. Disponível em:
2004.pdf>.
Acesso em: 11 abr. 2017.
LEAL, M.S; TONELLHO, K.C; DIAS, H.T. Caracterização hidroambiental de nascentes.
2016. Rev. Ambient. Água [online]. 2017, vol.12, n.1, pp.146-155. Disponível em:
tract&tlng=pt>. Acesso em: 11 mar 2018.
OLIVEIRA, D. S. et al. Diagnóstico do estado de conservação de nascentes do rio
gongogi nas comunidades rurais de cabeceira do gongogi, cebola e vela branca,
município de nova canaã, Bahia. v. 6, p. 1–10, 2011. Disponível em: <
http://www.conhecer.org.br/enciclop/2010c/diagnostico%20do%20estado.pdf>. Acesso em
11 mar 2018.
Publicado
2019-01-25
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA