ENTRE AS CURVAS DO RIO VERMELHO, UMA HISTÓRIA, UMA VIVÊNCIA, UMA MEMÓRIA... UMA SAUDADE, CRIXÁS-GO

  • France de Aquino Ribeiro
  • Drª Giovana Galvã Tavares
Palavras-chave: Rio Vermelho, ribeirinhos, percepção, lugar, mapas mentais

Resumo

A história da cidade de Crixás-GO desde seu nascimento caminha em paralelo com a atividade da mineração, a partir das expedições dos bandeirantes até os dias atuais a cidade apresenta como uma das bases econômicas principais, a extração de ouro, neste panorama se encontra o Rio Vermelho, este curso d’água corta a cidade de um lado ao outro e sempre fez parte da história do povo crixaense. Por anos este povo utilizou de suas águas de diferentes formas: beber, lavar roupa, pescar, banhar, o rio era um ponto de encontro e socialização para a população desta cidade. Em 1990 ocorre o despejo de desejos da mineradora neste rio, impossibilitando sua utilização a partir desde episódio, assim estas águas que antes eram utilizadas, ficam proibidas para os ribeirinhos desta cidade. O objetivo deste trabalho é analisar a percepção ambiental da comunidade ribeirinha da cidade de Crixás, no Estado de Goiás, relacionada ao uso do Rio Vermelho, procurando através disto despertar o desejo do povo crixaense de recuperar seu rio. Para tal, a metodologia utilizada foi a confecção de mapas mentais pelos ribeirinhos, parametrizado através dos cinco sentidos humanos (visão, paladar, audição, olfato e tato), apresentando como conceitos para guiar a pesquisa, o estudo da fenomenologia, pautada na percepção ambiental e no estudo do lugar. Na confecção dos mapas é possível perceber que para os ribeirinhos as águas do Rio Vermelho vêm carregando também sentimentos... afetos... emoções... e saudades de um tempo passado, o rio construiu com estes, vínculos de lar, lugar onde o povo foi capaz de construir uma identidade, todos os pesquisados se ressentem da perca da utilização deste rio

Referências

ANDRADE, Ricardo Rangel; LEONE JR., Delson. Ação civil pública em desfavor da empresa Serra Grande Mineração Ltda. In: ANDRADE, Ricardo Rangel de (Cord); OLIVEIRA, Larissa Pultrini P. de; FRANCO, Adriana Pereira. Coletânea do Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente, Patrimônio Cultural e Urbanismo. ESMP/GO, Goiânia, 2006, 252 p. Disponível em: http://www.mp.go.gov.br/portalweb/hp/9/docs/coletanea_cao_ambiente_2006.pdf. Acesso em: 03 janeiro 2018.
ARBUÉS, D. Rio e serra. Goiânia: Kelps, 1997. p. 153.
ARRUDA, Gilmar (org) História, natureza e território. (Publicado em www.editora.univale.br).
ASMAR, José. Crixás, do berço de ouro à luta pela vida. Goiânia: 1988.
AZEVEDO, Adalberto Mantovani Martiniano; DELGADO, Célio Cristiano. Mineração, Meio Ambiente e Mobilidade Populacional: um levantamento nos estados do Centro-Oeste expandido. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, 2002. Disponível em: http://www.abep.nepo.unicamp. Acesso em: 25 nov. 2017.
BACHELARD, G. (1989). A água e os sonhos. São Paulo: Martins Fontes.
BACHELARD, G. (2006). A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes.
BUZAN, Tony w/ BUZAN, Barry. The Mind Map Book: how to use radiant thinking to maximize your brain’s potential. New York: Dutton. 1994.
CAMARA, L. A. Mapas Mentais. In_ Percorrendo Espaços de Aprendizagem Com Mapas Mentais. 2012.
CARLOS, Ana Fani. A. O lugar no/do mundo. São Paulo: Hucitec, 1996.
CHIAPETTI, R. J. N.; CHIAPETTI, J. A água e os rios: imagens e imaginário da natureza. Geograficidade v.01, n.01, p. 71-90, Inverno 2011.
CLAVAL, P. A geografia cultural: o estado da arte. In: ROSENDAHL, Z.; CORREA, R. L. Manifestações da cultura no espaço. Rio de Janeiro: UERJ, 1999.
DARDEL. Eric. L’ homme et la terre – nature de la réalité geographique: Editions du CTHS: Paris, 1990.
DIAS, Wagner Alceu. No obscuro do ouro, o brilho do Cerrado: a dinâmica territorial do município de CrixásGO. 2010. 134 fls. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.
HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.
HOLZER, Werther. O lugar na geografia humanista. Revista Território. Rio de Janeiro: ano IV, n.7, p.67-78, jul/des. 1999.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda, 1910-1989. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa / Aurélio Buarque de Holanda Ferreira. 3 ed. Totalmente revista e ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.
FERNANDES, Francisco Rego Chaves; LIMA, Maria Helena Machado Rocha; TEIXEIRA, Nilo da Silva. A grande mina e a comunidade: estudo de caso da Grande Mina de Ouro de Crixás, em Goiás. Série Estudos e Documentos. Rio de Janeiro, CETEM/MCT, 2007. Disponível em: http://www.cetem.gov.br/publicacao/CTs/CT2007-01600.pdf. Acesso em: 04 mar. 2018.
FRANÇA FILHO, JL. Acerca da fenomenologia existencial de Maurice Merleau-Ponty. In: LIMA, ABM., org. Ensaios sobre fenomenologia: Husserl, Heidegger e Merleau-Ponty [online]. Ilhéus, BA: Editus, 2014, pp. 77102. ISBN 978-85-7455-444-0. Available from SciELO Books . Acesso: 01/11/2017.
GALVÃO, Wilson e KOZEL, Salete. Representação e ensino de geografia: contribuições teórico-metodológicas. Ateliê Geográfico, Goiânia-Go, V.2, n.5, p.33-48, dez/2008.
GANDARA, Gercinair Silvério. Natureza e cidades: o viver entre águas doces e salgadas. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2012.
GANDARA, Gercinair Silvério. Rios e cidades – olhares de história e meio ambiente. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2010.
GANDARA, Gercinair Silvério e BRASIL, Vanessa Maria. Cidades, rios e patrimônio: memórias e identidades beiradeiras. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2010.
GANDARA, G. S. Paravaçu! Rio Grande dos Tapuias! Velho Monge... rio lendário. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2018.
GRATÃO, Lúcia Helena Batista. A Poética d’ “ O Rio” – Araguaia! De Cheias. e vazantes (à) luz da imaginação. 2003, 354f. Tese (doutorado em geografia) – Faculdade de Filosofia e Letras e Ciências humanas, Universidade de São Paulo, 2002.
GRATÃO, Lúcia Helena Batista. (À) Luz da imaginação! “O Rio” se revela na voz dos personagens do lugarARAGUAIA! In: Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente HOMENAGEANDO LÍVIA DE OLIVEIRA |Londrina 2005|.
GORSKI, Maria Cecília Barbieri. Rios e cidades: rupturas e reconciliação. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2010.
HURGUES, J. Donald. II Workshop Internacional de História do Ambiente: desastres ambientais e sustentabilidade & Gisday, 2011, Florianópolis/Brasil.
JAPIASSU, Hilton. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
KOZEL, Salete. Mapas mentais – uma forma de linguagem: Perspectivas metodológicas in: KOZEL S. et al (org): Da percepção e cognição à representação. São Paulo. Terceira Margem, 2007. p.114-138.
KOZEL, S.; SOUZA, L.F. Parintins, que espaço é esse? Representação espacial sob a ótica do morador e do visitante. In: KOZEL, S.; SILVA, J.C.; FILIZOLA, R.; FILHO, S.F.G. Expedições Amazônicas: Desvendando espaço e representações dos festejos em comunidades amazônicas. “A festa do boi-bumbá: um ato de fé”. Curitiba: Sk, 2009.
LEONARDI, Victor. Rio de histórias. In: SÁ, Antonio Fernando de Araújo e BRASIL, Vanessa Maria. Rio sem história? Leituras sobre o Rio São Francisco. Aracajú: FAPESE, 2005.
LESSA, G. No baixo São Francisco: a viagem do redescobrimento – do espaço ao lugar. 2007. 167 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2007.
LIMA, E. L., de. (2007). Do corpo ao espaço: contribuições da obra de Maurice Merleau-Ponty à análise geográfica. Geographia, 18, 65-84.
LIMA, Maria Madalena. Crixás – nossa terra, nossa gente. Goiânia: Scala Gráfica e Editora, 2015.
LIMA, ABM., org. Ensaios sobre fenomenologia: Husserl, Heidegger e Merleau-Ponty [online]. Ilhéus, BA: Editus, 2014, 124 p. ISBN 978-85-7455-444-0. Available from SciELO Books . Acesso: 01/11/2017.
LYNCH, Kevin. A Imagem da Cidade. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. Terceira Edição. Editora WMF Martins Fontes Ltda. São Paulo - SP, 1999.
MARTINS, Marcos Lobato. História e Meio Ambiente. São Paulo: Annablume; Fac. Pedro Leopoldo, 2007.
MELLO, T. de. Amazonas, pátria da água. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987. 112 p.
MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo, Brasil: Martins Fontes. 1999.
NOGUEIRA, Amélia Regina Batista. Percepção e Representação Gráfica: A “Geograficidade” nos Mapas Mentais dos Comandantes no Amazonas. Tese de doutorado. Departamento de Geografia da USP. São Paulo, 2001.
OLIVEIRA, Sebastiana Ester Dietz de. Terra dos Kirirás e poemas mais...! 2. ed. Goiânia: Arte e Laser Ltda., 2001.
OLIVEIRA, J. A. de. Ciclos de águas e vidas: o caminho do rio nas vozes dos antigos vaporzeiros e remeiros do São Francisco. 2009. 143 f. Dissertação. (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2009.
PASSET, RA. Co-gestão do desenvolvimento econômico e da biosfera. Tradução de Ferrreira, A.D. In: Cadernos de desenvolvimento e Meio Ambiente. IFPR, n.1, 1994.
POHL, Joahann Emanuel. Viagem ao interior do Brasil. São Paulo: Edusp, 1975.
REBOUÇAS, A. C. Água doce no mundo e no Brasil. In: REBOUÇAS, A. C.; BRAGA, B. E.; TUNDISI, J. G. (Orgs.). Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 2. ed. São Paulo: Escrituras, 2002.
SANTAELLA, L. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 2007.
SOBREIRA, P. de A. Danos ambientais provenientes das barragens de rejeitos situadas no estado de Goiás. 2016. 145 f. Dissertação. (Mestrado em Ciências Ambientais) – Unievangélica – Centro Universitário de Anápolis, Anápolis, GO, 2016.
SOUZA NETO, M. F. de. Três rios. Três regiões. Três poetas. GEOUSP, São Paulo, n. 1, p. 57-64, 1997.
TUAN, Y. FU. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo, Brasil: Difel. 1983.
TUAN, Y. FU Topofilia: Um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo/ Rio de Janeiro. Difel. 1980.
SITES:
www.mpgo.mp.br/portalweb/hp/9/docs/rsuacp_04.pdf
DNPM. Desempenho do Setor Mineral 2010: ano-base 2009. Disponível em: https://sistemas.dnpm.gov.br/publicacao/mostra_imagem. asp?IDBancoArquivoArquivo=4288 . Acesso em 08/02/2018.
Publicado
2019-01-25
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA