EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E AMBIENTAL: ESTUDO DE CASO EM INSTITUIÇÃO ESCOLAR NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS.

  • CLEIDE CORDEIRO DOS SANTOS
  • MARIA GONÇALVES DA SILVA BARBALHO
Palavras-chave: Educação Ambiental, Educação Matemática, Resolução de Problemas, Modelagem Matemática

Resumo

A Educação Ambiental é uma ferramenta para subsidiar a formação de cidadãos reflexivos, mudar atitudes, comportamentos e, até mesmo, paradigmas. É um componente essencial da educação nacional e deve estar presente em todas as modalidades e níveis de ensino de forma articulada, interdisciplinar, em caráter formal e não-formal. Esse trabalho foi desenvolvido com estudantes de duas turmas de 9º ano, de uma escola da Rede Municipal de Ensino, da cidade de Anápolis. Tendo o consumo como tema gerador para o tratamento das questões ambientais, nas aulas de Matemática, partiu-se do pressuposto de que os conceitos matemáticos, a serem desenvolvidos, podem se originar de situações reais, vivenciadas pelos alunos, estando relacionadas à temática ambiental. Assim, torna-se possível a aprendizagem, bem como a formação do cidadão crítico e consciente de suas ações no presente, buscando a sustentabilidade para as gerações futuras. A metodologia utilizada foi a quali-quantitativa, com uma pesquisa de campo de caráter exploratório. A Modelagem Matemática e a Resolução de Problemas são tendências pedagógicas, no âmbito da educação matemática, e proporcionaram a contextualização e a interdisciplinaridade. Os resultados da pesquisa apontaram que, apesar de os professores conhecerem a importância do tratamento das questões ambientais, de forma transversal em todas as disciplinas, essas abordagens são esporádicas e acontecem, principalmente, nas disciplinas de Matemática, Geografia e Ciências. O desenvolvimento das atividades da pesquisa de campo, tendo o tratamento das questões ambientais, no desenvolvimento de conceitos matemáticos, revelou uma participação representativa dos estudantes, conforme análise das questões desenvolvidas.

Referências

ABREU, Gilvan Gomes de; RODRIGUES, Miguel Antônio. O Tratamento de Educação Ambiental nas Escolas Públicas e Privadas: Um Estudo de Caso nas Escolas do Ensino Fundamental da Cidade de Uruçuí-Pi. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, N.16; p. 2371 - 2384. 2013. Disponível em, acesso em 30 de setembro de 2017.
BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental, Lei 9795. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 abr. 1999. Disponível emAcesso em: 15 fev. 2018.
CALDEIRA, Ademir Donizeti. Educação Matemática e Ambiental: um Contexto de Mudança. 225f. Tese. 1998. Unicamp. Disponível em Acesso em 09 out. 2017.
¬¬¬¬¬¬CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 4. Ed. – São Paulo: Cortez, 2008.
D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Da Realidade à Ação – Reflexões sobre Educação e Matemática. 5ª edição. Summus editorial. P. 63-83. 1986. Disponível em: Acesso em 23 janeiro de 2016.
DANTE, Luiz Roberto. Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. 1. Ed. São Paulo: Ática, 2010.
DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9. Ed. – São Paulo: Gaia, 2004.
LIBÂNEO, José Carlos. Ensinar e aprender, aprender e ensinar: o lugar da teoria e da prática em didática. In: LIBÂNEO, José Carlos; ALVES, Nilda (orgs). Temas de Pedagogia: Diálogos entre didática e currículo. São Paulo: Cortez, 2012.
MUNIZ, Cristiano Alberto. Ser Educador Matemático. VI Encontro Brasiliense de Educação Matemática. Brasília-DF, 19, 20 e 21 de setembro de 2014. Disponível em Acesso em 21 out. 2017.
ZORZAN, Adriana Salete Loss. Ensino-Aprendizagem: Algumas Tendências na Educação Matemática. R. Ciências Humanas Frederico Westphalen. v. 8 n. 10 p. 77 – 93. Jun 2007. Disponível em Acesso em 23 nov. 2017.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA