DIAGNÓSTICO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO E AS POLÍTICAS AMBIENTAISNA MICRORREGIÃO DE CERES, ESTADO DE GOIÁS

  • Edilson Rodrigues
  • Josana de Castro Peixoto
Palavras-chave: Goiás, Impacto Ambiental, Cana-de-açúcar

Resumo

A pesquisa em questão objetiva realizar um diagnóstico do setor sucroalcooleiro e a exequibilidades das políticas ambientais na Microrregião de Ceres, com especificidade no município de Rubiataba, estado de Goiás. A partir dos instrumentos de regulação direcionados aos fatores abióticos e bióticos ligados à expansão sucroalcooleira. O estudo tem como principal problemática geral o questionamento acerca do grau de degradação ambiental pelo setor sucroalcoleiro no Município de Rubiataba-GO utilizando para construção do referencial teórico, fontes bibliográficas atuais e pesquisa documental em legislações que regulam os órgãos responsáveis pela fiscalização da degradação do meio ambiente e planos diretores dos municípios que compõem a Microrregião de Ceres. Posteriormente fazendo uma comparação entre os instrumentos legais e os  planos diretores na aplicabilidade das Políticas Públicas Ambientais. Outro fator preponderante é o descumprimento da legislação ambiental por parte dos municípios que compõem a região do Vale do São Patrício. Observamos que dentre os maiores municípios, nenhum deles cumprem a legislação ambiental estadual e federal e apenas os município de Ceres, Rialma e Goianésia possuem Código Ambiental Municipal e outros pouquíssimos possuem uma legislação ambiental e, ainda assim, ultrapassada e com leis esparsas.

Referências

ANDRADE-NETO, J. C de. O Estado e a agroindústria canavieira no Nordeste Oriental: Modernização e proletarização. São Paulo: Tese de doutorado– Universidade de São Paulo, 1990.
ASCERALD, H. Cidadania e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: IBASE, 1992.
ANDRADE, M. C. de. Área do sistema canavieiro. Recife: SUDENE-PSU-SER, 1988.
BRASIL. Decreto lei nº 221, de 28 de fevereiro de 1967. Dispõe sobre a proteção e estímulos à pesca e dá outras providências. Diário Oficial da União, União de 28 de fevereiro de 1967.
BRASIL. Decreto-Lei nº 1.413, de 14 de Agosto de 1975. Dispõe sobre o controle da poluição do meio ambiente provocada por atividades industriais. Diário Oficial da União. Seção 1, 14 de agosto de 1975.
BRASIL. Decreto lei nº 76.389 de 03 de outubro de 1975. Dispõe sobre as medidas de prevenção e controle da poluição industrial, de que trata o decreto lei 1413, de 14 de agosto de 1975, e da outras providencias. Diário Oficial da União, 04 de outubro de 1975.
BRASIL. Lei nº 6.803, de 2 de julho de 1980. Dispõe sobre as diretrizes básicas para o zoneamento industrial nas áreas críticas de poluição, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 03 de julho de 1980.
BRASIL. Lei 6.938/81 de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2 de setembro de1981.
BRASIL. Lei no 6.902, de 27 de abril de 1981. Dispõe sobre a criação de Estações Ecológicas, Áreas de Proteção Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União, 28 de abril de 1981.
BRASIL. Lei no 7.347, de 24 de julho de 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico (VETADO) e dá outras providências. Diário Oficial da União, 25 de julho de 1985.
BRASIL. Lei nº 7.735, de 22 de fevereiro de 1989. Dispõe sobre a extinção de órgão e de entidade autárquica, cria o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis e dá outras providências. Diário Oficial da União, 23 de fevereiro de 1989.
BRASIL. Lei 9.433/97 de 09 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Diário Oficial da União, 9 de janeiro de1997
BRASIL. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 13 de fevereiro de 1998 e retificado no DOU de 17.2.1998
BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília / DF: Senado, 1988.
BRASIL. Lei 9.985/00 de 19 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Diário Oficial da União, 19 de julho de 2000
BRASIL. Lei nº12.305 de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, 03 de agosto de 2010.
BRASIL. Decreto nº 23.793 de 23 de janeiro de 1934. Aprova o Código Florestal. Diário Oficial da União, 21 de março de 1935.
BRASIL. Decreto nº 24.643, de 10 de julho de 1934. Decreta o Código das Águas. Diário Oficial da União, 27 de julho de 1934.
BRASIL. Decreto lei nº 794 de 19 de outubro de 1938. Aprova e baixa o Código da Pesca.
Diário Oficial da União, 20 de outubro de 1938.
BRASIL. Lei 4771/65 de 15 de setembro de 1965. Institui o Novo Código Florestal. Diário Oficial da União, 16 de setembro de 1965.
BRASIL. Lei n° 5.197, de 3 de janeiro de 1967. Dispõe sobre a proteção à fauna e dá outras providências. Diário Oficial da União, 5 de janeiro de 1967.
Biblioteca do IBGE, Disponível em: www.citybrazil.com.br/go/rubiataba/historia-da-cidade>Acesso em 04 de março de 2018.
CUNHA, S. B. da; GUERRA, A. J. T.. A questão ambiental: diferentes abordagens. São Paulo: Bertrand Brasil, 2003
CÁRLI, G. de. Açúcar Amargo. Recife: Cia Editora de Pernambuco, 1982.
CAVALCANTI, C. (Org.) Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Políticas Públicas. São Paulo: Editora Cortez, 2001.
DABAT, C. R. Moradores de engenho: relações de trabalho e condições de vida dos trabalhadores rurais na Zona Canavieira de Pernambuco segundo a literatura, a academia e os próprios atores sociais. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2007.
DEAN, E. A ferro e fogo: a história da devastação da Mata Atlântica brasileira. Tradução: Cid Knipel. São Paulo: Companhia das Letras,1996.
FOLADORI, G. Limites do desenvolvimento sustentável. São Paulo: Unicamp, 2001.
https://www.site.cooper-rubi.com.br/historia-da-cooper-rubi/Acesso em 14 de fevereiro de 2018.
Kauark, Fabiana. Metodologia da pesquisa : guia prático / Fabiana Kauark, Fernanda Castro Manhães e Carlos Henrique Medeiros. – Itabuna: Via Litterarum, 2010.
LAKATOS, Eva Maria, MARCONI. Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. 7º ed. São Paulo: Atlas, 2010.
LEFF, Enrique. Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder.
Trad. Lúcia Mathilde Endlich Orth. Petrópolis: Vozes, 2001.
LIMA, A. A. A Evolução da agroindústria canavieira alagoana da criação do instituto de açúcar e do álcool (IAA) ao processo de modernização na década de 1960. Disponível em: http://www.abphe.org.br/congresso2003/Textos/Abphe_2003_54.pdf Acesso em: 12 de fevereiro de 2018.
MINTZ, S.A. O poder amargo do açúcar: produtores escravizados, consumidores proletarizados. Organização e Tradução, DABAT,C.R. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2003.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA