Controle de qualidade e estudo fitoquímico de Justicia thunbergioides(lindau) Leonard (Acanthaceae).

  • Laryssa Rosset Provensi
  • Clarimar José Coelho
  • Josana de Castro Peixoto
  • Lucimar Pinheiro Rosseto
Palavras-chave: Justicia thunbergioides, Justicia pectoralis, Acanthaceae, Fitoquímica, Atividade antioxidante, Controle de qualidade

Resumo

Justicia thunbergioides (Lindau) Leonard e Justicia pectoralis Jacq pertencem à família Acanthaceae, sendo que muitas espécies da mesma são amplamente utilizadas na medicina popular para o tratamento de doenças respiratórias e gastrointestinais (CORRÊA et al., 2012). Neste sentido, este trabalho visa o uso da imagem hiperespectral para distinguir as espécies J. thunbergioides e J. pectoralis, o estudo fitoquímico e a atividade antioxidante das folhas de J. thunbergioides. A imagem hiperespectral de folhas secas e pulverizadas das espécies de Justicia foram obtidas utilizando-se equipamento SisuCHEMA da Specim, Spectral Imaging Ltd. que produz imagens no infravermelho de ondas curtas (Short Wave Infrared; SWIR) (TANKEU, et al., 2015; SANDASI, et al., 2014). Das folhas de J. thunbergioides foram obtidos os extratos brutos (hexânico [HEX], diclorometânico [DC] e metanólico [ME]). O extrato DC foi fracionado por cromatografia em coluna e as substâncias identificadas por cromatografia gasosa acoplada a espectrometria de massas. A avaliação da atividade antioxidante dos extratos (HEX, DC e ME) de J. thunbergioides foi realizado pelo método do DPPH (MELAGRAKI, et al., 2009). Na triagem fitoquímica das folhas de J. thunbergioides verificou-se a presença de heterosídeos cardioativos, flavonoides, cumarinas, alcaloides e saponinas e nas folhas de J. pectoralis a presença de heterosídeos antraquinônicos, cardioativos, flavonoides, cumarinas e alcalóides. As análises de componentes principais (Principal Component Analysis, PCA) mostrou uma distinção clara e diferenciação entre as folhas das duas amostras de Justicia, sendo considerado um método de controle de qualidade objetico e não destrutivo, justificando assim o uso dessa tecnologia na comparação da autenticidade de matérias-primas vegetas. O extrato ME apresentou forte ação antioxidante  inibindo o radical DPPH (0,5 mmol/mL) em cerca de em cerca de 75% na presença da concentração a 12 µg/mL e IC50 de 3,2 µg/mL, apresentando potente atividade antioxidante (AAI > 2), sendo mais eficiente que o extrato DC de J. thunbergioides o qual foi obtido IC50= 78,5 e AAI de 0,25 considerado baixa atividade antioxidante (AAI < 0,5), assim como o extrato HEX que apresentou uma atividade menor ainda, com AAI = 0,11 (baixo potencial antioxidante) e o  IC50 obtido foi muito superior (186,38). No extrato DC foram identificados 29 compostos, entre eles, terpenos, hidrocarbonetos, cetonas; aldeídos, álcoois graxos, lignanas, vitamina E e β-sitosterol. Estudos de atividade antioxidante e identificação de compostos químicos foram relatados pela primeira vez em J. thunbergioides.

Referências

ARAÚJO, L. L. N. Características morfofisiológicas, produção e composição de óleo essencial em folhas deTetradenia riparia(hochst) codd-lamiaceae cultivada em diferentes níveis de sombreamento. Dissertação (Mestrado em Biodiversidade Vegetal). Universidade Federal de Goiás. Goiânia – Go. 2014.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. Plantas para o Futuro. Disponível em: http://www.mma.gov.br/biodiversidade/conservacao-e-promocao-do-uso-da-diversidade-genetica/plantas-para-o-futuro. Acesso em 28 julho 2018.

CORRÊA, G. M.; ALCÂNTARA, A. F. C. Chemical constituents and biological activities of species of Justicia: a review.Revista Brasileira de farmacognosia, Curitiba-PR v. 22, n. 1, p. 220-238, Feb. 2012.

FREITAS, M.S.M.; SOUZA, P.H.; BELLO, O.I.; JAQUES, R.S. Crescimento e produção de fenóis totais em carqueja [Baccharis trimera (Less.) D.C.] em resposta à inoculação com fungos micorrízicos arbusculares, na presença e na ausência de adubação mineral. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.6, n.3, p.30-34, 2004.

GIULIETTI, A. M.; HARLEY, R. M.; QUEIROZ, L. P.; WANDERLEY, M. G.; BERG, C. V. D. Biodiversidade e conservação das plantas no Brasil. Megadiversidade, v. 1, n. 1, p. 52-61, 2005.

LEAL, L. K. A. M.; SILVA, A. H.; VIANA G. S. B. Justicia pectoralis, a coumarin medicinal plant have potential for the development of antiasthmatic drugs? Review. Centro de Estudos Farmacêuticos e Cosméticos, Departamento de Farmácia, Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brazil. 2017.

PAULO, I. M. M. Estudo químico e biológico de Crescentiacujete L. (BIGNONIACEAE). Dissertação (Pós-Graduação em Recursos Naturais do Semiárido) - Universidade Federal do Vale do São Francisco. Petrolina, 2016.

PEIXOTO, J.C.; SILVA, R.S.G. Acanthaceaes do bioma cerrado: identificação dos fitoquímicos das folhas da espécie justicia thunbergioides (lindau) leonard (acanthaceae) ocorrente no parque estadual serra dos pireneus, pirenópolis, GO. FRONTEIRAS Revista do Mestrado Multidisciplinar em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente. v.2 n.1, p.17. Goiás, Centro Universitário de AnápolisUniEvangélica, 2013.


TANKEU, V. I.; CHEN W.; SANDASI M.; VILJOEN, A.Differentiation between two “fang ji” herbal medicines, Stephania tetrandra and the nephrotoxic Aristolochiafangchi, using hyperspectral imaging. Phytochemistry, v. 122, p. 213-222, 2016.


VARGEM, D. S. Morfoanatomia, prospecção fitoquímica e caracterização do óleo essencial das folhas de Justicia pectoralis Jacq. (ACANTHACEAE) ocorrente em Brasília, DF. 2015. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) Centro Universitário de Anápolis UniEvangélica, GO. 2015.

VENTURA, M. F. Uso de plantas medicinais por grupo de idosos de unidade de saúde em Campo Grande, Rio de Janeiro: uma discussão para a implantação da fitoterapia local. Rio de Janeiro, Brasil. 2012.

VILLAR, T.S. AcanthaceaeJuss no Distrito Federal, Brasil. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Botânica, Brasília, DF. 117f., 2009.

WOBETO, C. Extração de esqualeno do destilado da desodorizaçãodo óleo de soja modificado utilizando dióxido de carbono. Tese (doutorado). Universidade Federal de Viçosa. 2007.

RODRIGUES, M. G; Flora do Cerrado Goiano: Estudo morfo-anatômico, prospecção fitoquímica, composição química e avaliação da atividade antibacteriana de partes constituintes de Justicia pectoralis Jacq. (ACANTHACEAE). Dissertação (Mestrado em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) Centro Universitário de Anápolis UniEvangélica, GO. 2017.

SANDASI, M; VERMAAK, II; CHEN, W; VILJOEN, A.M. Hyperspectral Imaging and Chemometric Modeling of Echinacea—A Novel Approach in the Quality Control of Herbal Medicines.Molecules 2014, 19, 13104–13121.

SARTIN, R. D. O Gênero Justicia L. (Acanthaceae) no Estado de Goiás.
Tese (Doutorado em Botânica). Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, São Paulo. 2015.

SILVA, C. A. L.; Ação da atividade antioxidante da vitamina e em eritrócitos – aplicações em hemoterapia. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2013.

SOUSA, V. F.; VERSIEUX, L. M.Notes on the ornamental potential and taxonomy of Justicia (Acanthaceae, Justicieae), including a first record for the ParaíbaFlora. Brazil. Phytotaxa 270 (3): 203‒209. 2016.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA