ÁREAS DE PRESERVAÇÃO X LEGISLAÇÃO AMBIENTAL: UM ESTUDO DA REGIÃO DA BACIA DO RIO DAS ALMAS, MICRORREGIÃO DE CERES (GO) ENTRE OS ANOS DE 2008 E 2016

  • Karhene Garcia Rodrigues de Sousa
  • Maria Gonçalves da Silva Barbalho
  • Adriana Aparecida Silva
Palavras-chave: Código Florestal, Áreas de Preservação, Desmatamento

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi analisar as áreas remanescentes de cobertura vegetal, com destaque para áreas de preservação permanente (APPs) e de reserva legal (RL), na região hidrográfica do rio das Almas entre a foz rio São Patrício e do rio do Peixe, Microrregião de Ceres (GO). Foram consideradas duas datas para análise e mapeamento, sendo: 2008 relativo ao prazo estabelecido pelo Código Florestal de 2012 para anistiar os desmatamentos, denominadas de áreas rurais consolidadas, onde identificamos as áreas favorecidas pela lei;e 2016 período atual, onde buscamos quantificar as APPs e de RL em 15 propriedades rurais. Os resultados revelaram que das 15 propriedades analisadas, apenas 5estão em consonância com o Código Florestal, no que se refere a RL, ainda assim são áreas que devem recompor a vegetação ciliar, as demais propriedades, em acordo com a lei devem recompor as áreas de RL. Houve no período de 2008 a 2016 uma redução da vegetação na ordem de 4,11%, dado preocupante para um curto período de 8 anos.

Referências

BARBALHO, M. G. da S.; SILVA, S.D.; DELLA GIUSTINA, C.C. Avaliação temporal do perfil da vegetação da microrregião de Ceres através do uso de métricas de paisagem. Boletim Goiano de Geografia, 2015.

BRASIL. Lei n. 12.651, de 25 de maio de 2012. Institui o Novo Código Florestal Brasileiro. Disponível em: . Acesso em: 12, jan, 2018.

CAPES – Coordenação de aperfeiçoamento de pessoal de nível superior. Relatório de avaliação trienal da área de ciências ambientais. Brasília: capes, 2013.

CARDOSO, M. R. D. Classificação climática de Köppen-Geiger para o estado de Goiás e o Distrito Federal. ACTA Geográfica, Boa Vista, v. 8, n. 16, p.40-55, jan. /mar. 2014.

FAISSOL, S. O “Matogrosso de Goiás”. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Conselho Nacional de Geografia, Rio de Janeiro, 1952.

FERREIRA, L. C. G; DEUS, J. B. O uso do território e as redes na microrregião ceres (go): o caso das agroindústrias sucroalcooleiras. B. Goiano de Geogr. Goiânia, v. 30, n. 2, p. 67-80, jul. /dez. 2010.

GONÇALVES, J. S. A evolução da proteção da Reserva Florestal Legal no Brasil e a segurança jurídica. Revista Direito Ambiental e sociedade, v. 8, n. 1. 2018 (p. 237-264).

GUIDOTTI, V.; PINTO, L. F. G.; FERRAZ, S. F. B.; BRANCALION, P. H. S; SPAROVEK, G. Código Florestal: contribuições para a regulamentação dos programas de regularização ambiental (pra). SUSTENTABILIDADE EM DEBATE, setembro de 2016.

RIBEIRO, C. A. A. S.; SILVA, M. L.; SOARES, N. S.; ROCHA, R. R. C.; OLIVEIRA, A. M. S. Valoração das Áreas de Preservação Permanente na Bacia do Rio Alegre-ES. Revista Floresta e Ambiente 2010; 17(1):63-72.

SANDRO, DUTRA, S.S.; BARBALHO,M.G.S; ANDRADE, J.L. A expansão sucroalcooleira e a devastação ambiental nas matas de São Patrício, microrregião de Ceres, Goiás.história, histórias. Brasília, vol. 1, n. 2, 2013.

SILVA, S.D.; BARBALHO, M. G. da S.; FRANCO, J. L. de A. Expansão sucroalcooleira e a devastação ambiental nas matas do São Patrício, microrregião de Ceres, GO. Histórias, Histórias. Brasília, v. 1 n. 1, 2013.

SPAROVECK, G.; BERNDES, G.; KLUG, I. L. F; BARRETO, A. G. O. P. Brazilian agricultureandenvironmentallegislation: status and future challenges. Environmental Science & Technology, v.44, n. 16, p. 6046- 6053, 2010.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA