TRATAMENTO TAXONÔMICO DA FAMÍLIA ACANTHACEAE E DO GÊNERO JUSTICIA

  • Paulo Henrique de Oliveira
  • Rogério Celestino
  • Josiel Araújo Lemes
  • Osvaldo Gomes Pinto
  • Josana de Castro Peixoto
Palavras-chave: Taxonomia, morfologia floral e foliar, Acanthaceae

Resumo

As espécies de Acanthaceae ocorrem quase que exclusivamente nos trópicos e subtrópicos com distribuição em cinco centros de diversidade e riqueza: Indomalásia, Ásia, África Tropical e Madagascar e Américas incluindo os Andes e o Brasil. No Brasil, ocorrem aproximadamente 40 gêneros e 500 espécies, tanto em áreas abertas quanto florestais. A maioria ocorrendo nas formações florestais do Sudeste e centro oeste, principalmente nas matas secas. Os dois gêneros neotropicais de maior expressividade são Justicia, com 350 a 600 espécies e Ruellia, apresentando cerca de 250 espécies. Algumas flórulas foram feitas, entretanto o destaque é para a flora do estado de Santa Catarina. As Acanthaceaes são descritas como ervas, subarbustos, arbustos ou trepadeiras, raramente arvoretas. Folhas simples, quase sempre opostas, decussadas, geralmente com cistólitos, sem estípulas. Inflorescências racemosas, cimosas, espigas, umbelas, capítulos, tirsos, panículas ou flores solitárias, geralmente com 1 bráctea e 2 bractéolas por flor, foliáceas ou petalóides, às vezes encobrindo o tubo da corola. Flores hermafroditas, zigomorfas. A morfologia floral para os taxa de Acanthaceae mostrou-se uniforme. A diferenciação morfológica das espécies foi possível analisando o tipo da inflorescência, a morfologia foliar, e a característica marcante dos gêneros Justicia, caracterizado pela inflorescência com flores em cimas (ou às vezes solitárias) subtendidas por uma bráctea grande e foliácea com as nervuras bem marcadas. Para melhor delimitação dos taxa infra-específicos estudos anatômicos, fitoquímicos e genéticos devem ser realizados.

Referências

AHMAD, K.J. Cuticular studies with special reference to abnormal stomatal ceils in Cestrum. J. Ind. Bot. Soc. 43: 165-177, 1964.
AHMAD, K.J. Epidermal studies in Solanum. Lloydia 27: 243-250, 1964a.
AHMAD, K.J. Cuticular studies in Solanaceae. Canad. J. Bot. 42: 793—803, 1964b.
AHMAD, K.J. Cuticular studies with special reference to abnormal stomatal ceils in Cestrum. J. Ind. Bot. Soc. 43: 165-177, 1976.
AHMAD K. J. Epidermal hairs of Acanthaceae. Blumea 24. (1): 101 - 117 (1978) - Illus. Anatomy and morphology. Geog=1 - 7 Systematics: ANGIOSPERMAE (ACANTHACEAE), 1978.
AGUIAR, L.M.S.; MACHADO, R.B.; MARINHO-FILHO, J. A Diversidade Biológica do Cerrado. In: AGUIAR, L.M.S.; CAMARGO, A.J.A. (Org.) Cerrado: ecologia e caracterização. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados; Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, p. 17- 40, 2004.
ALMEIDA, S. P.; PROENÇA, C.E.B.; SANO, S.M.; RIBEIRO, J.F. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina: Embrapa-CPAC, 464 p.,1998.
ALMEIDA, S. P. As plantas, a Saúde e as Alternativas Econômicas nas Comunidades do Cerrado, In: Plantas Medicinais do Cerrado: Perspectivas Comunitárias para a Saúde, o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável. Anais do Workshop Plantas Medicinais do Cerrado. Mineiros, Goiás. p. 209-236, 1999.
AMOROZO, M.C.M. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil. Acta Botânica Basílica, v.16, n.2, p. 189-203, 2002.
APG II. An update of the AngiospermPhylogeny Group classification for the orders andfamilies of flowering plants: APG II. Botanical Journal of Linnean Society 141: 399-436, 2003.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA