PRODUTIVIDADE DE MILHO EM PLANTIO DIRETO COM DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO QUÍMICA ASSOCIADO À ADUBAÇÃO BIOLÓGICA

  • Rodrigo Caixeta Pinheiro
  • Cláudia Fabiana Alves Rezende
  • Jéssica de Lima Pereira
Palavras-chave: Biofertilizante, Microgeo, Zea mays

Resumo

O milho é uma das plantas mais cultivadas no mundo e possui papel fundamental na economia brasileira. O uso de biofertilizantes tem se tornado uma alternativa para melhorar as condições físicas, químicas e biológicas do solo, favorecendo o desenvolvimento da cultura. Objetivou-se neste experimento avaliar a produtividade de milho primeira safra sob adubação biológica e diferentes doses de adubação química, em plantio direto na região do Cerrado. O trabalho foi conduzido na Unidade Experimental da UniEVANGÉLICA, sob Latossolo Vermelho eutrófico cambissólico (35 g kg-1 argila), com a cultivar AS1757 PRO3. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com quatro tratamentos de adubação química (0, 50, 75 e 100% da dose recomendada) na semeadura e em cobertura em quatro repetições. Na semeadura foi utilizado o adubo 05-25-15 conforme os tratamentos (0, 200, 300 e 400 kg ha-1). A adubação de cobertura foi realizada utilizando-se quatro doses de uréia, conforme os tratamentos (0, 111, 167, 222 kg ha-1) no estágio V4. Em todos os tratamentos foram utilizados 150 L ha-1 de fertilizante biológico (Microgeo®). Foram avaliados massa seca de plantas, número de fileiras de grãos espiga-1 (FG), número de grãos fileira-1 (GF), comprimento da espiga (CE), diâmetro da espiga (DE), massa de 1.000 grãos (MMG) e produtividade (PROD). Procedeu-se à análise de variância, comparando-se as médias dos parâmetros de produção pelo teste de Tukey. No tratamento com 75% da dose recomendada as plantas obtiveram maior acúmulo de nutrientes aos 80 DAE, o que interferiu de forma positiva sobre as variáveis comprimento de espiga e número de grãos por fileira. A produtividade obtida entre os tratamentos 75% (11.041,53 kg ha-1) e o tratamento 100% (12.483,78 kg ha-1) foram semelhantes estatisticamente, mesmo com a variável MMG sendo superior no tratamento com maior dose NPK. O uso do biofertilizante Microgeo® apresenta-se como uma alternativa ao uso de adubação química a partir do segundo ano de uso em áreas de plantio direto, com redução de até 25% da adubação química recomendada para a cultura.

Referências

BERTOLO, G.M. Atributos biológicos e físicos do solo com o uso de biofertilizante. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Maria. Frederico Westphalen, RS, 2015.
COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB. Acompanhamento da safra brasileira de grãos, v. 5 - Safra 2017/18, n 11 - Décimo primeiro levantamento, Agosto 2018. Disponível em: Acesso em: 09-08-2018.
DEPARTAMENTO DO AGRONEGÓCIO. Safra Mundial de Milho 2017/18 - 11º Levantamento do USDA. In: Informativo DEAGRO. Março, 2018. Disponível em: Acesso em 16 de Março de 2018.
FANCELLI, A. L.; DOURADO NETO, D. Produção de milho. 2. ed. Guaíba: Agropecuária, 2004. 360 p.
FERREIRA, M.M. Uso de biofertilizante na produtividade do milho. 2012. x, 60 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, 2012.
FERREIRA, D. F. Sisvar: sistema de análise de variância para dados balanceados. Versão 5.6. 2014.
GONÇALVES, M.M.; SCHIEDECK. G.; SCHWENGBER. J.E. Produção e uso de biofertilizantes em sistemas de produção de base ecológica. Embrapa Clima Temperado. Circular técnica. Pelotas, RS Maio, 2009.
LIMA, J.G.A.; VIANA, T.V.A.; SOUSA, G.G.; WANDERLEY, J.A.C.; PINHEIRO NETO, L.G.; AZEVEDO, B.M. Crescimento inicial do milho fertirrigado com biofertilizante. Agropecuária Científica no Semiárido. V. 8, n. 1, p. 39 -44, 2012.
MARROCOS, S.T.P.; NOVO JUNIOR, J.; GRANGEIRO, L.C., AMBROSIO, M. M.Q., CUNHA, A. P.A. Composição química e microbiológica de biofertilizantes em diferentes tempos de decomposição. Revista Caatinga, v. 25, n. 4, p. 34-43, 2012.
QUEIROZ, A.M.D, DE SOUZA, C.H.E., MACHADO, V.J., LANA, R.M.Q., KORNDORFER, G.H., SILVA, A.D.A. Avaliação de diferentes fontes e doses de nitrogênio na adubação da cultura do milho (Zea mays L.). Revista Brasileira de Milho e Sorgo, v. 10, n. 3, p. 257-266, 2011.
REBOUÇAS NETO, M. D. O., CAMPOS, J. R., VERAS, C. L., DE SOUSA, I. R., MONTEIRO FILHO, L. R. Crescimento inicial do milho sob diferentes concentrações de biofertilizante bovino. Cadernos Cajuína, v. 1, n. 3, p. 4-14, 2016.
RODRIGUES,V.N; VON PINHO, R.G; PAGLIS, C.M; FILHO, J.S.D.S.B; DE BRITO, A.H. Comparação entre métodos para estimar a produtividade de grãos de milho. Ciênc. agrotec., Lavras, v. 29, n. 1, p. 34-42, 2005
SISTEMA DE METEOROLOGIA E HIDROLOGIA DO ESTADO DE GOIÁS (SIMEHGO). Clima. Disponível em: http://www.simehgo.sectec.go.gov.br/simehgo/index.php. Acessado em: 22 de abril de 2018.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA