Justicia L. (ACANTHACEAE) EM CERRADO GOIANO: AVALIAÇÃO DE TOXICIDADE DE ÓLEO ESSENCIAL EM Justicia pectoralis Jacq.

  • Amanda Mendonça Domingues
  • Marcos Rodrigo Beltrão Carneiro
  • Lucimar Pinheiro Rosseto
  • Josana de Castro Peixoto
Palavras-chave: Cerrado, bioprospecting, phytochemicals

Resumo

O bioma Cerrado apresenta uma rica biodiversidade de fauna e flora, porém, a degradação das formações vegetais, realizada por diversas atividades antrópicas impactantes, como o aumento da fronteira agrícola, o aumento da malha rodoviária e o crescimento urbano, tem como consequência, a redução da diversidade genética das espécies. Dentre as várias famílias de plantas existentes no bioma Cerrado, destaca-se a família Acanthaceae que abarca cerca de 275 gêneros e 4.000 espécies. Nesta família, o gênero Justicia abrange aproximadamente 2.000 espécies, e caracteriza-se por ser o maior gênero desta família, e dentre as espécies deste gênero, muitas são utilizadas popularmente e caracterizam-se principalmente pela presença de alcalóides, ligninas, flavonóides e terpenoides que são compostos responsáveis pelo potencial farmacológico apresentado. Entretanto, para que haja uma real identificação das espécies do gênero Justicia faz-se necessária a realização do controle morfoanatômico das espécies. Espécies pertencentes a este gênero são utilizadas para tratamento de asma, tosse e bronquite, contudo, os estudos morfoanatômicos e fitoquímicos de J. pectoralis ainda são escassos e se fazem necessários para o controle de qualidade desta planta já que a mesma é utilizada como fitoterápico. Com o objetivo de realizar o controle de qualidade vegetal da Justicia pectoralis Jacq. (ACANTHACEAE) foi realizada a caracterização morfológica e microscópica da folha, a extração, qualificação e quantificação dos constituintes químicos do óleo essencial e a prospecção fitoquímica da espécie. Através das análises da prospecção fitoquímica observou–se a presença de saponinas e cumarinas e traços de heterosideos flavonoides e cardioativos. A análise morfoanatômica demonstrou uma similaridade com membros da família Acanthaceae. A análise do óleo essencial demonstrou a presença de diversos compostos que sugerem a ação farmacológica da planta, podendo este farmacógeno ser explorado para a obtenção dos compostos bioativos identificados, pois o seu processo de obtenção utiliza as folhas sem comprometer a sobrevivência da planta como um todo e atividade antimicrobiana similar aos resultados realizados para espécimes desta família.

Referências

CLINICAL AND LABORATORY STANDARDS INSTITUTE (CLSI). Methods for Dilution Antimicrobial Susceptibility Tests for Bacteria That Grow Aerobically; Approved Standard. 6rd.edn. Document M7-A6, v. 23, n. 2 (ISBN 1-56238-486-4). Wayne, Pensilvânia -USA, 2010.

ESTANISLAU, A. A.; BARROS, F. A. S.; PEÑA, A. P.; SANTOS, S. C.; FERRI, P. H.; PAULA, J. R. Composição química e atividade antibacteriana dos óleos essenciais de cinco espécies de Eucalyptus cultivadas em Goiás. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 11, n. 2, p. 95-100, 2001.
HEINZMANN, B. M.; SPITZER, V.; SIMÕES, C. M. O. Óleos voláteis. In: SIMÕES, C. M. O.; SCHENKEL, E. P.; MELLO J. C. P.; MENTZ, L. A.; PETROVICK, P. R. (Org). Farmacognosia: do produto natural ao medicamento. Porto Alegre: Artmed, 2017. p. 167 – 184.

HOLETZ, et. al. Screening of some plants used in the Brazilian Folk Medicine for the treatment of infectious diseases. Memórias do Instituto Osvaldo Cruz, vol.97, n.7, p.1027-1031, 2002.
LENNETTE, E. H.; BALOWS, A.; HAUSLER, W. J.; SHADOMY, H. J. Manual of Clinical Microbiology. American Society for Microbiology: Washington, D. C., 1985. 1149 p.

LEAL, L. K. A. M. et al. Antinociceptive antiinflammatory and bronchodilatador activities of Brazilian medicinal plants containing coumarin: a comparative study. Journal of Ethnopharmcology, v.70, p. 151-159, 2000.

OLIVEIRA, A. F. M. Caracterização de Acanthaceae medicinais conhecidas como anador no nordeste do Brasil. 1995. 125 f. Dissertação (Mestrado em Botânica) Departamento de Botânica, Universidade Federal do Pernanbuco, Recife.

OLIVEIRA, A. F. M. et al. Screening cromatográfico de Acanthaceae medicinais: Justicia pectoralis Jacq. E J. gendarussa BURM. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 3, n. 1, p. 37-41, 2000.

PEREIRA, C. K. B. Estudo químico e atividades microbiológicas de espécies do gênero Psidium (Myrtaceae). 2010. 120f. Dissertação (Mestrado em Bioprospecção Molecular) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Universidade Regional de Cariri, Cariri, 2010.

ROSA, C.; CÂMARA, S.G.; BÉRIA, J.U. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Ciências & Saúde Coletiva, v, 16, n. 1, p. 311 - 318, 2011.
SALVAT, A.; ANTONNACCI, L.; FORTUNATO, R. H. SUAREZ, E. Y., GODOY, H. M. Screening of some plants for North Argentin for their antimicrobial acitvity. Letters in Applied Microbiology, vol. 32, n 5, p. 293-297, 2001.

SARKER, S. D.; NAHAR, L.; KUMARASAMY, Y. Microtitre plate-based antibacterial assay incorporating resazurina as an indicator of cell growth, and its application in the in vitro antibacterial screening of phytochemicals. Methods, v. 42, n.4, p. 321 -324, 2007.

SILVA SANTOS, A. et al. A proteção patentária na utilização de óleos essenciais e compostos terpênicos para o desenvolvimento tecnológico e industrial. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. V. 8, n. 4, p. 14-22, 2006.

SIQUI AC, Sampaio, ALF, Sousa MC, Henriques MGMO, Ramos, MFS 2000. Óleos essenciais – potencial antiinflamatório. Biotecnologia, Ciência e Desenvolvimento 16: 38-43.

SOUZA, V.C., LORENZI, H. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. São Paulo: Ed. Nova Odessa, Instituto Plantarum, 640 p, 2005.

VALERIANO, C.; PICCOLI, R. H.; CARDOSO, M. G.; ALVES, E. Atividade antimicrobiana de óleos essenciais em bactérias patogênicas de origem alimentar. Rev. bras. plantas med., v. 14, n. 1, p. 57-67, 2012.

VENÂNCIO E. T. et al. Anxiolytic-like Effects of Standardized Extract of Justicia pectoralis (SEJP) in Mice: Involvement of GABA/Benzodiazepine in Receptor. Phytotherapy Research, n. 45, p. 444-450, 2011.

WASSHAUSEN, D.; WOOD, J. R. I. Acanthaceae of Bolivia.Contr. U.S. Natl. Herb. 49: 1 – 152, 2004.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA