ÚTERO DE COUVELAIRE: UM RELATO DE CASO

  • Ana Clara Hajjar
  • Ana Cláudia Maia Mendonça
  • Desireé Mata de Sousa
  • Flávia Cristina Teixeira Silva Boggian
  • Lara Gomes Nery
  • Pedro Henrique Pereira da Silva
  • Denise Ferreira Correia
Palavras-chave: Descolamento prematuro de placenta. Hemorragia. Hipertonia. Pré-natal.

Resumo

O descolamento Prematuro de Placenta (DPP) consiste na separação da placenta que devia estar implantada no corpo do útero, antes do parto, podendo incorrer em mortalidade fetal, prematuridade e morbidade materna. O DPP pode ser assintomático, sangramento vaginal e dor abdominal, ou sintomático. Dentre os fatores de riscos que levam ao DPP está a Síndrome de HELLP (elevação de enzimas hepáticas e plaquetopenia). Hemácias e soro de um coágulo retroplacentário podem dissociar as miofibrilas ao percorrerem o miométrio, resultando no útero de Couvelaire. Assim, o objetivo deste trabalho é buscar indícios que possam indicar mesmo nos pacientes assintomáticos, a presença de DPP e do útero de Couvelaire, a fim de evitar a evolução desfavorável destes casos. O caso é relacionado à paciente MCLC, 34   anos, quadrigesta com gestação de 35 semanas e 2 dias e pré natal de risco habitual apresentando fraqueza, dificuldade para deambular e ausência dos movimentos fetais há mais de 2 horas. Regular estado geral, BCF inaudível, colo fechado e sem sangramento ao toque vaginal. O diagnóstico não foi feito previamente devido à ausência por hora de sinais clássicos como dor abdominal e sangramento vaginal. Porém, observou-se a presença de sinais da síndrome hemorrágica como hipotensão e de choque como palidez cutânea e astenia. A conduta foi a interrupção da gestação com cesariana de urgência e extração de natimorto. Levando em conta o mal prognóstico, conclui-se que, é de extrema importância um acompanhamento pré-natal cuidadoso, atentando para os fatores de risco para o DPP.

Referências

BRÃLIA, A.D., et al; Placental abruption: etiopathogenic aspects, diagnostic and therapeutic implications. Romanian Journal of Morphology & Embryology, Romania, v.59, n.1, 2018.
FEBRASGO- FEDERAÇÃO BRASILEIRA DAS ASSOCIAÇÕES DE GINECOLOGIA E
OBSTETRÍCIA. Manual Pré-Eclâmpsia nos seus diversos aspectos. São Paulo: Contexto, 2017, 56p.
GARCÍA,L.A.C.; ESTEVEZ,G.D.; Síndrome de Hellp. Revista Hospital Juarez de México, México, v.67, n.4, 2000.
KAHHALE, S.; FRANCISCO, R.P.V.; ZUGAIB, M.; Pré- eclâmpsisa. Revista de medicina- revista USP, São Paulo, v.92, n.2, mar./abr 2018.
MARTINS-COSTA, S.H., et al.; Rotinas em Obstetrícia: 7,ed, Porto Alegre: Editora Artmed, 2017.
MONTENEGRO, C.A.B.; REZENDE, J.;Obstetrícia Fundamental: 13. ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 2014.
NUNES, R.D.; BERTUOL, E.; SIQUEIRA, I.R.; Avaliação dos fatores associados aos resultados neonatais no descolamento prematuro de placenta. Arquivos catarinenses de medicina, Santa Catarina, v. 45, n.4, out/dez 2016.
OYELESE, Y.; ANANTH, C.V.; Placental Abruption. Obstetrics and Gynecology, Estados Unidos, v.108, v. 4, 2006.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Protocolo clínico Descolamento Prematuro da Placenta- 2015, Ceará, 1p.
UPADYA, M.; RAO, S.T.; Hypertensive disorders in pregnancy. Indian Journal of Anaesthesia, India, v.62, n.9, sep. 2018.
VEGAS, C.E.P.; Desafios na redução da mortalidade materna no Município de São Paulo. Revista de medicina- revista USP, São Paulo, v. 97, n. 2, mar./abr 2018.
Publicado
2018-12-27
Seção
XV Mostra de Saúde - 10 anos do Curso de Medicina