REGENERAÇÃO ESPONTÂNEA DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR: UM RELATO DE CASO

  • Carolina Ribeiro Fernandes Oliveira
  • Isabela Borges de Freitas
  • Isadora Eloi Franco
  • Júlia Loyola Caldas
  • Humberto de Sousa Fontoura
Palavras-chave: Medicina esportiva. Lesão. Ligamento cruzado anterior.

Resumo

A ruptura do ligamento cruzado anterior (LCA) é frequente nas práticas desportivas, ocorrendo majoritariamente em pessoas do sexo masculino. Essa lesão causa instabilidade crônica da articulação, portanto é importante sua reconstrução, seja cirurgicamente, na maioria dos casos, ou pelo método conservador. O relato de caso mostra uma situação rara na qual o paciente apresentou ruptura completa do LCA regenerada sem intervenção cirúrgica após 7 meses. Ao exame físico, paciente apresentou estabilidade no joelho direito, com todas as provas negativas para lesão no LCA, confirmado pela ressonância magnética (RM). A relevância do caso se deve pelo fato de que na maioria das vezes é necessário de uma intervenção cirúrgica para recompor o LCA, uma vez que diversos fatores dificultam a regeneração espontânea da contusão. A literatura mostra que em casos de lesão completa do LCA o mais indicado a fazer é cirurgia, sendo que o tratamento não cirúrgico, ou seja, conservador, é mais indicado para casos de ruptura parcial e visa principalmente a analgesia e estabilização dinâmica do joelho, por meio de tratamento fisioterapêutico que tem o objetivo de aumentar a amplitude de movimento e fazer o fortalecimento da musculatura. O não tratamento da lesão pode resultar em piora do quadro clínico, com comprometimento da função motora. Todavia, o caso relatado diverge dessa perspectiva, visto que, sem o tratamento indicado, o paciente teve uma regeneração espontânea completa do LCA, e, por esse motivo, o tratamento conservador deve ser mais estudado para compreender melhor casos como este.

Referências

ASTUR D.C., et al. Lesões do ligamento cruzado anterior e do menisco no esporte: incidência tempo de prática até a lesão e limitações causadas pelo trauma. Revista Brasileira de Ortopedia, v. 51, n.6, p. 652 – 656, 2016.
COMPLETO A., et al. Análise biomecânica da reconstrução do ligamento cruzado anterior.
Revista Brasileira de Ortopedia, 2018.
JUNIOR N.O.; SOUZA M.G.; OLIVEIRA N.H.C.Disgnóstico das lesões do joelho: comparação entre o exame físico e a ressonância magnética com os achados da artroscopia. Revista Brasileira de Ortopedia, v. 50, n. 6, p. 712 – 719, Manaus, 2015.
PINHEIRO A.; SOUSA C.V. Lesão do Ligamento Cruzado Anterior: Apresentação Cliníca, Diagnóstico e Tratamento. Revista Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia, v. 23, n.4, ISSN 1646-2122, 2015.
ROCHA I.D., et al. Avaliação da evolução de lesões associadas à lesão do ligamento cruzado anterior. Acta Ortopédica Brasileira, v.2, p. 105-108, 2017.
SANTOS N.T.C.; MEJIA D.P.M. Lesão do ligamento cruzado anterior e tratamento fisioterapêutico. 2017. Trabalho de pós-graduação (Fisioterapia em Ortopedia e Traumatologia com Ênfase em Terapia Manual) – Faculdade de Fisioterapia, Faculdade Ávila, São Paulo, 2017.
SOARES C.M.P. Diagnóstico e tratamento do ligamento cruzado anterior. 2014. Trabalho de mestrado integrado em medicina– Faculdade de Medicina, Universidade do Porto, Porto, 2014.
TEMPONI E.F., et al. Lesão Parcial do ligamento cruzado anterior: diagnóstico e tratamento.
Revista Brasileira de Ortopedia, v. 50, p. 9 – 25, 2015.
ULLA, I.R.A., et al. Estudio hitopatologico en rotura aguda del ligamento cruzado anterior de rodilla. Revista de La Associación Argentina de Ortopedia y Traumatologia, v. 83, n. 1, ISSN1852-7434, 2017.
Publicado
2018-12-27
Seção
XV Mostra de Saúde - 10 anos do Curso de Medicina