CÂNCER DE COLO DE ÚTERO COM EVOLUÇÃO PARA CÂNCER VULVAR: UM RELATO DE CASO

  • Bianca Yohana Machado Rodrigues
  • Giovana de Heberson Souza
  • Isabel Silva Migliavacca
  • Karine Alves Matos
  • Mayara Reple Achcar
  • Daniella Brandão Nascimento
Palavras-chave: Câncer de vulva; Câncer de colo de útero; Diagnóstico tardio; Metástase; HPV no favorecimento das displasias.

Resumo

O câncer de vulva é uma neoplasia ginecológica relativamente incomum que tem predominância em mulheres avançadas em idade. A vulva é a área externa à vagina e inclui as glândulas de Bartholin, o monte púbis, o clitóris, grandes e pequenos lábios e períneo. Sendo que os grandes lábios são o local de predominância da instalação desse tipo de câncer. O desenvolvimento do câncer vulvar geralmente é precedido de doenças como condiloma e displasia escamosa, sendo que o HPV tem prevalência importante no favorecimento dessas displasias. O diagnóstico, em muitos casos, é tardio e tem altas taxas de tratamento inapropriado. A porcentagem de sucesso no tratamento está intimamente relacionada com a extensão da lesão e o tipo de terapêutica. Além disso, um dos dados importantes para o prognóstico é o estado dos linfonodos inguinais e se outras estruturas adjacentes foram contaminadas. É evidente a necessidade do diagnóstico precoce, evitando a metástase e as complicações que decorrem da mesma. A paciente do caso possuía histórico de câncer de colo de útero há 2 anos, tendo realizado quimioterapia e radioterapia. Ela cessou o tratamento e retornou após esse período se queixando de “queimação” na vulva. O diagnóstico do caso foi extemporâneo e, tendo em vista que não há cura para a maioria das ocorrências, foi proposto à paciente tratamento paliativo como tentativa de proporcionar um melhor bem estar social e uma melhor qualidade de vida.

Referências

BODA, Daniel et al. Human papilloma virus: Apprehending the link with carcinogenesis and unveiling new research avenues. International journal of oncology, v. 52, n. 3, p. 637-655, 2018.
COOPER, Crystale Purvis; POLONEC, Lindsey; GELB, Cynthia A. Women's knowledge and awareness of gynecologic cancer: a multisite qualitative study in the United States. Journal of Women's Health, v. 20, n. 4, p. 517-524, 2011.
Hospital do Câncer de Barretos. Tipos de Câncer. Disponivél em . Acessado em 19 de outubro de 2018.
KANG, Yoon‐Jung et al. Vulvar cancer in high‐income countries: Increasing burden of disease. International journal of cancer, v. 141, n. 11, p. 2174-2186, 2017.
KROEBER, Eric Sven et al. Vulvar cancer in Ethiopia: A cohort study on the characteristics and survival of 86 patients. Medicine, v. 97, n. 9, 2018.
MARTINS, Caroline Alves de Oliveira et al. Análise da relação entre os fatores de risco para infecção pelo vírus do papiloma humano e o desenvolvimento de lesões pré-invasivas e câncer do trato genital inferior em pacientes transplantadas. 2017.
SOARES, Elisângela Maria; RIUL DA SILVA, Sueli. Perfil de pacientes com câncer ginecológico em tratamento quimioterápico. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 63, n. 4, 2010.
VAN DYNE, Elizabeth A. et al. Trends in Human Papillomavirus–Associated Cancers—United States, 1999–2015. Morbidity and Mortality Weekly Report, v. 67, n. 33, p. 918, 2018.
VISTAD, Ingvild et al. A national, prospective observational study of first recurrence after primary treatment for gynecological cancer in Norway. Acta obstetricia et gynecologica Scandinavica, v. 96, n. 10, p. 1162-1169, 2017.
Publicado
2018-12-27
Seção
XV Mostra de Saúde - 10 anos do Curso de Medicina