ESTUDO DA AÇÃO ANTRÓPICA NA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO CENTRAL PARQUE DA JUVENTUDE SENADOR ONOFRE QUINAN E BUSCA POR Cryptococcus spp. EM FEZES DE AVES

  • Gabryele Cardoso Sampaio
  • Leandro N. S. Rodrigues
Palavras-chave: Ação Antrópica, Impactos Ambientais, Parques, Cryptococcus

Resumo

A busca de refugio na natureza e o caos ambiental criado com as grandes cidades levou o homem moderno à criação de refúgios naturais dentro do ambiente citadino. O aumento e um fluxo contínuo de resíduos sólidos gerados em ambientes urbanos, o consumismo desenfreado e as formas inadequadas de destinação final de tais resíduos favorecem o surgimento de impactos ambientais e consequentes impactos à saúde da população. As áreas verdes como os parques urbanos se fazem importantes no equilíbrio entre cidade e meio natural, promovem benefícios à saúde e a cidade em si; todavia sofrem intenso desgaste pelas relações humanas em seu entorno. Este trabalho apresenta resultados da pesquisa do Programa Voluntário de Iniciação Cientifica da UniEVANGÉLICA (PIVIC), onde através do estudo de campo buscou observar e descrever impactos negativos das ações antrópicas no Parque da Juventude Senador Onofre Quinan e refletir sobre suas relações com á saúde dos usuários, pois um ambiente outrora criado para benefícios pode tornar-se insalubre. Adicionalmente foram analisadas excretas de aves em busca de espécies de fungo do gênero Cryptococcus agente etiológico da criptococose grave micose sistêmica com índice de mortalidade expressivo na região centro-oeste. As amostras foram cultivadas em Ágar Saboraud Dextrose por sete dias para a observação de colônias fúngicas, adicionalmente foram feitos os testes da uréase e tinta nanquim para confirmação do gênero. As amostras analisadas apresentaram resultado negativo em todos os testes realizados.

Referências

CAMPOS, R. B. F.; CASTRO, J. M. Áreas Verdes: Espaços Urbanos Negligenciados Impactando a Saúde. Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, Florianópolis, v.8, n.1, p.106-116, 2017.

CASTRO, J. D. B.; CASTRO, M. C. G. Parques Municipais Em Avaliação: Uma Aplicação Do Método De Valoração Contingente Para O Município De Anápolis/Go. Colóquio Ibero-Americano, v.3, 2014.

FARIA, R.O. et al. Occurrence Of Cryptococcus Neoformans In Pigeon Excrement In The City Of Pelotas, State Of Rio Grande Do Sul. Rev Soc Bras Med. Trop. v.43, p.198-200, 2010.

FILIÚ, W.F.O. et al. Cativeiro De Aves Como Fonte De Cryptococcus Neoformans Na Cidade De Campo Grande, Mato Grosso Do Sul, Brasil. Rev. Soc.Bras. Med. Trop., v.35, p.591-595, 2002.

GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. A Questão Ambiental: Diferentes Abordagens. 4 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008. 250 p.

GULLO, F.P. Antifúngicos Naturais E Sintéticos: Estudo Dos Mecanismos De Ação Em Sistema De Infecção In Vitro Empregando Cepas De Cryptococcus. 2012. 104 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Farmacêuticas.

KON, A. S. et al. Consenso Em Criptococose – 2008. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.41, n.5, p.524-544, 2008.

LACAZ, C. S. et al. Criptococose In: Tratado de Micologia Médica. 9ª Edição: Ed. Savier, p.416-35, 2002.

MAIA, D.C.B.S.C. Leveduras Isoladas Do Trato Gastrintestinal De Calopsitas (Nymphicus Hollandicus): Determinação Da Microbiota E Análise Fenotípica. 86f. Dissertação. 2009. (Mestrado). Universidade Estadual do Ceará, Mestrado em Ciências Veterinárias, Faculdade de Veterinária, Fortaleza, Ceará.

MARTINS, R. T. P.; ARAÚJO, R. S. Benefícios Dos Parques Urbanos. Perspectivas Online, Campo dos Goytacazes, v.4, n.10, p.38-44, 2014.

MAY, R. C. et al. Cryptococcus: From Environmental Saprophyte To Global Pathogen. Nature Reviews Microbiology, v.14, p.106-117, 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Constitution Of The World Health Organization. Basic Documents. Genebra: 1946.

PAULA, S. M. R. R. Parques Em Anápolis-Goiás O Contato Com A Natureza E A Saúde. 72f. Dissertação. 2009. (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica De Goiás, Goiás.

SHANAHAN, D. F. et al. The Health Benefits Of Urban Nature: How Much Do We Need?. BioScience, v.65, n.5, p.476–485, 2015.

SOARES, E. A. Mortalidade Por Criptococose No Brasil (2000 A 2012). 95f. Dissertação. 2015. (Mestrado) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA