EROSÃO HÍDRICA E USO DA TERRA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO VERDE NA MICRORREGIÃO DE CERES – GOIÁS, 2018

  • Victor Augusto dos Santos
  • Maria Gonçalves da Silva Barbalho
  • Cristiane Gonçalves de Moraes
  • Josana de Castro Peixoto
Palavras-chave: Uso da Terra, Imagens de Satélite, Erosão

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo avaliar os efeitos do desmatamento nos solos e nos recursos hídricos na Bacia do Rio Verde, microrregião de Ceres (GO), para subsidiar ações de planejamento e gestão ambiental sustentável. Para tanto, foram elaborados o mapa de cobertura e uso da terra a partir das imagens Sentinel, nas bandas 543/RGB, na escala aproximada 1/60.000 e mapeados os focos erosivos lineares a partir das imagens de alta resolução espacial, disponibilizadas pela Google Earth. Os resultados revelaram que a vegetação natural corresponde a pouco mais de 15% da área da pesquisa e a pastagem ocupa mais de 50%, seguido da cana de açúcar com 7,56% e cultura de grãos com pouco mais de 1%. Foram identificados 172 focos erosivos lineares de médio a grande porte e verificou-se que 77,33% dos focos erosivos lineares ocorrem em área com cobertura de pastagem. Sabe-se que as pastagens melhoram as condições estruturais do solo e diminuem o processo erosivo pelo aumento da superfície rugosa e esses benefícios somente são observados quando essa cultura é conduzida adequadamente. Assim, provavelmente, o manejo nessas áreas é inadequado e os tipos de uso da terra influenciaram no surgimento dos focos erosivos lineares.

Referências

BARBALHO, M. G. DA S.; DUTRA, S.; C.C. DELLA GIUSTINA. Avaliação temporal do perfil da vegetação da microrregião de Ceres através do uso de métricas de paisagem. Boletim Goiano de Geografia, 2015.

ENRES, P. F.; PISSARRA, T.C. T.; BORGES, M. J.; POLITANO, Quantificação das classes de erosão por tipo de uso do solo no município de Franca – SP. Eng. Agríc. Jaboticabal, v.26, n.1, p.200-207, jan/abr. 2006

GOEDERT, W.J. Região dos Cerrados: Potencial Agrícola e Política para o seu Desenvolvimento. Pesq. Agropec. Bras. Brasília, (24):1 – 1- 17, jan, 1989.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico de Uso da Terra. Rio de Janeiro, 2013.

KLINK, C.A. & A.G. MACHADO, R.B. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade. Vol 1. Nº 1.Julho 2005.

MULLER, C. Dinâmica, condicionantes e impactos ambientais da evolução da fronteira agrícola no Brasil, Revista de Administração Pública, jul. set. 26 (3): 64-87, 1992.

_______ . Expansion and modernization of agriculture in the Cerrado – the case of soybeans in Brazil’s center-West. Department of Economics Working Paper 306, Universidade de Brasília, Brasília. 2003.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. Fitofisionomias do bioma Cerrado. In: Sano S. M.; Almeida, S. P. Eds. Cerrado: Ambiente e Flora. Planaltina: Embrapa - CPAC. 1998. p. 89-168.

ROCHA, W. J. C. DA. Avaliação temporal da cobertura e uso da terra na bacia do Rio Verde, Microrregião de Ceres – Goiás, em 1998, 2008 e 2018.

SAWYER, D. Ocupación y desocupación de la frontera agrícola en el Brasil; un ensayo de interpretación estructural y espacial. In: CEPAL/PNUMA (org.), Expansión de la frontera agrícola y medio ambiente en América Latina. Madrid, Naciones Unidas/CIFCA, 1983.

SILVA, S.D.; BARBALHO, M. G. da S.; FRANCO, J.L.de A. Expansão sucroalcooleira e a devastação ambiental nas matas do São Patrício, Microrregião de Ceres, GO. Histórias, Histórias. Brasília, vol. 1 n. 1, 2013.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA