PÉ DIABÉTICO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ACADÊMICOS DE MEDICINA NA DETECÇÃO PRECOCE EM UM CENTRO DE REFERÊNCIA

  • Gabriel Alves Rocha
  • João Victor Costa Rocha
  • Maria Clara Emos de Araújo
  • Pedro de Freitas Quinzani
  • Yaman Paula Barbosa
  • Hígor Chagas Cardoso
Palavras-chave: Diabetes Mellitus. Pé diabético. Prevenção Primária. Promoção da Saúde. Atenção Primária a Saúde.

Resumo

A diabetes mellitus é uma das doenças crônicas mais prevalentes da atualidade brasileira, sendo caracterizada por alterações nos níveis glicêmicos sanguíneos. A doença é causadora de microlesões vasculares e neurológicas. Dentre as complicações mais comuns, encontra-se o pé diabético. A experiência se baseou em um projeto de mestrado, que visa prevenir o pé diabético. O objetivo do presente trabalho realizar um relato de experiência acerca dessa coleta de dados, evidenciando a importância do diagnóstico precoce de alterações características dessa complicação. Trata-se de um relato de experiência acerca de uma atividade desenvolvida por cinco discentes e um docente do curso de medicina do Centro Universitário de Anápolis- UniEvangélica. Esse projeto foi realizado a partir de encontros vivenciais semanais na Unidade de Saúde Jundiaí Doutor Ilion Fleury Junior (OSEGO) para a coleta de dados, além de reuniões ocasionais com o docente para discussão dos dados e elaboração do relato de experiência. Na segunda parte do questionário, foi realizado o exame físico, avaliando-se se o calçado era adequado, a higiene dos pés, existência de deformidade, micose, umidade, pilificação, aspecto da pele, hiperceratose e presença de amputação prévia. Além disso, foi feito exame físico vascular e neurológico para classificar o pé diabético quanto a sua etiopatogenia. Os critérios avaliados respectivamente foram: úlceras, pulsos, tempo de enchimento capilar e pressão arterial; sensibilidade ao monofilamento, sensibilidade dolorosa com um alfinete, térmica e vibratória com o diapasão e o reflexo de Aquileu. Por fim, foi avaliada a força muscular na panturrilha e no músculo tibial anterior, pedindo-se para o paciente andar na ponta dos pés e dos calcanhares. Nesse contexto, torna-se evidente, portanto, após o acompanhamento das consultas e reuniões com o orientador, que a prevenção na atenção primária é insatisfatória. Outrossim, fica clara a necessidade da avaliação específica do pé diabético, uma vez que é algo que a maioria dos pacientes tende a ignorar, muitas vezes por falta de conhecimento das consequências, e e que pode causar sequelas irreversíveis como observadas pelos alunos nos casos de amputação.

Referências

ARRUDA, S. F. A. Melhoria da qualidade da atenção ao portador de diabetes mellitus tipo 2 em uma instituição de cuidados primários de saúde. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão da Qualidade em Serviços de Saúde) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, p. 1-48, 2016.
BARRILE, S. R. Comprometimento sensório-motor dos membros inferiores em diabéticos do tipo 2. Fisioterapia em Movimento, v. 26, n. 3, p. 537-548, 2013.
BARROS, M. A. A. O Nível de conhecimento dos pacientes portadores de diabetes mellitus acerca do pé diabético. Revista Expressão Católica, v. 2, n. 2, p. 125-143, 2013.
BOIX, M. G. Promovendo os cuidados dos pés em pacientes diabéticos em São José do Vale do Rio Preto –RJ–. p. 1-24, 2015.
CUBAS, M. R. Pé diabético: orientações e conhecimento sobre cuidados preventivos.
Fisioterapia em Movimento, v. 26, n. 3, p. 647-655, 2013.
GUS, I. Variações na prevalência dos fatores de risco para doença arterial coronariana no Rio Grande do Sul: Uma análise comparativa entre 2002-2014. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 105, n. 6, p. 573-579, 2015.
LIMA, I. G. Educar para prevenir: a importância da informação no cuidado do pé diabético.
Revista Conexão UEPG, v. 13, n. 1, p. 186-195, 2017.
ODHAYANI, A.; TAYEL, A. S.; MADI, A. Foot care pratices of diabetic patients in Saudi Arabia. Saudi Journal of Biological Sciences, v. 24, n. 7, p. 1667-1671, 2015.
SILVA, L. A.; MUHL, C.; MOLIANI, M. M.. Ensino médico e humanização: Análise a partir dos currículos de cursos de medicina. Psicologia Argumento, v. 33, n. 80, p. 298-309, 2015.
SOARES, R. L. Avaliação de rotina do pé diabético em pacientes internados: prevalência de neuropatia e vasculopatia. HU Revista, v. 43, n. 3, p. 205-210, 2017.
SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretrizes. Disponível em https://www.diabetes.org.br/profissionais/images/2017/diretrizes/diretrizes-sbd-2017- 2018.pdf. Acesso em: 05 de nov. 2018.
Publicado
2018-12-27
Seção
XV Mostra de Saúde - 10 anos do Curso de Medicina