CONDIÇÕES DA PLANÍCIE DO CÓRREGO ÁGUA FRIA NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO E A GESTÃO DE CÓRREGOS URBANOS

  • Carlos Eduardo Fernandes
  • Cintia Neves Godoi 2
Palavras-chave: Ocupação, Antropização, Bacias Urbanas, Água Fria

Resumo

Esse estudo apresenta uma perspectiva de esboço para a ocupação regional da bacia do córrego Água Fria em Anápolis - Goiás, tomando como base informações e métodos adotados na literatura. A metodologia de estudo baseia-se no levantamento de ocupação da bacia do córrego, através da compreensão dos principais processos históricos que motivaram a exploração do território anapolino, do levantamento geomorfológico e mapas fazendo um comparativo sobre as condições das bacias urbanas e seus conflitos. O artigo consiste em análise das condições de risco, e do processo de degradação e antropização do curso de seu leito, para avaliar as melhores práticas de sustentabilidade que julgam corrigir os prejuízos sofridos durante as décadas de ocupação, através das principais causas e efeitos no local. Dentro dessa temática, o objetivo geral é identificar e avaliar os aspectos ambientais alterados pela urbanização no córrego, que resultaram em impactos ambientais locais e quantificar a interferência do uso e ocupação do solo nos recursos hídricos. Os resultados são o uso indiscriminado dos corpos hídricos e a consequente precarização do solo e da vegetação local. Além disso, demonstram a aplicabilidade da metodologia, que se deriva na agregação de variáveis ao processo, servindo como modelo de suporte às instâncias de decisão, que envolvam o planejamento urbano e gestão de recursos hídricos, e evidenciando a complexidade dos fatores envolvidos. Dentre as recomendações sugeridas, destaca-se a necessidade de desenvolvimento de novos instrumentos específicos para o monitoramento e controle das condições da bacia.

Referências

ANÁPOLIS. Plano Municipal de Drenagem Urbana – Atualização de 2014. Dispõe sobre o PMDU e
dá outras providências. Disponível no Portal da Transparência de Anápolis. Acesso em 28/08/2018.
ANÁPOLIS,. Secretaria Municipal de Meio Ambiente de. Acervo de imagens e dados. 2016.
ANÁPOLIS, Secretaria Municipal de Habitação de. Acervo de imagens e dados. 2016.
BAHIA. Lei estadual n° 7.799 de 07 de fevereiro de 2001.Política Estadual de Administração dos
Recursos Ambientais.
BORGES, B. G. Goiás nos quadros da economia nacional: 1930-1960. Editora da UFG. Goiânia.
2000.
BRASIL. Lei Federal 4771/65 alterada pela Lei nº 7803/89. Altera a redação da Lei nº 4.771 de 15
de setembro de 1965, e revoga as Leis nº 6.535, de 15 de junho de 1978, e 7.511 de 7 de julho de
1986.Disponível em http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/leis/L7803.htm. Acesso em 30/08/2018.
BRASIL. Lei Federal nº 6.902 de 27 de abril de 1981.Dispõe sobre as Áreas de Proteção Ambiental
(APA)e dá outras providências.
Disponível em http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/leis/L6902.htm.Acesso em 30/08/2018.
FERREIRA, D. F; SAMPAIO, F. E; SILVA, R. V. C. Impactos Sócio-Ambientais Provocados pelas
Ocupações Irregulares em Áreas de Interesse Ambiental – Goiânia/GO.Anais... UCG/SENAI –
CETRESG. Goiânia. 2004.
9
FINKLER, N. R.; MENDES, L. A.; BORTOLIN, T. A. et al. Cobrança pelo uso da água no Brasil: uma
revisão metodológica. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 2016.
GARCIAS, C. M; AFONSO, J. A. C. (2013) Revitalização de Rios Urbanos. Revista Eletrônica de
Gestão e Tecnologias Ambientais (Gesta). Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/
gesta/article/view/7111/4883. Acesso em 28/08/2018.
GOIÁS, Secretaria de Estado de Defesa Civil de. Acervo de imagens e dados. 2017.
GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia e meio ambiente. Bertrand Brasil. 3ª edição. Rio
de Janeiro. 2000.
JACOBI, P.R.; FRACALANZA, A.P.; SILVA-SÁNCHEZ, S. Governança da água e inovação na
política de recuperação de recursos hídricos na cidade de São Paulo. Cadernos Metrópole. São
Paulo. 2015.
KAGEYAMA, P.Y. Estudo para implantação de matas de galeria na bacia hidrográfica do Passa
Cinco visando a utilização para abastecimento público. Anais...Universidade de São Paulo.
Piracicaba. 1986.
LIMA, W.P. Função hidrológica da mata ciliar. In: Simpósio sobre Mata Ciliar. Fundação Cargil.
Campinas. 1989.
MARICATO, E. As idéias fora do lugar e o lugar fora das idéias: planejamento urbano no Brasil. In:
ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. (Org.). A cidade do pensamento único;
desmanchando consensos. Vozes. Petrópolis. 2000.
MATTOS, A. D. M. Valoração ambiental de áreas de preservação permanente da micro-bacia do
ribeirão São Bartolomeu no Município de Viçosa. Revista Árvore,vol.31, nº2. Viçosa. Março/Abril
2007.
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Mananciais. Disponível em: http://mma.gov.br/cidadessustentaveis/aguas-urbanas/mananciais.
Acesso em: 28/08/2018.
MOTTA, D. M. Gestão do Uso do Solo Disfunções do Crescimento Urbano Volume 1: Instrumento
de Planejamento e Gestão Urbana em Aglomerações Urbanas: Uma análise Comparativa. Brasília.
2002.
POLONIAL, J. Anápolis nos tempos da ferrovia. Editora Kelps. Goiânia. 2011.
POSTEL, S. L.; THOMPSON, J. R.; BARTON, H. Watershed protection:capturing the benefit sof
nature’s water supply services. London - Natural Resources Forum. 2005.
PRADILLA, C. E. Contribuición a la Crítica de la “Teoria Urbana”. Del“Espacio” a la “Crisis Urbana”.
Universidad Autónoma Metropolitana. Casa Abierta alTiempo. Colección Ensayos. México. 1984.
SANTOS, M. A urbanização brasileira. Hucitec.São Paulo. 1993.
VIANA, R.L.; RIBEIRO, G.A.; LIMA, G.S.; SOUZA, F.A.A.; GÓES, C.T. Considerações sobre a
elaboração de um diagnóstico sócio-econômico e sócio-ambiental no entorno de uma unidade
de conservação. In: XVI Congresso Brasileiro de Economia Doméstica e IV Encontro LatinoAmericano
de Economia Doméstica. ABED. Anais... Viçosa-MG. 2001.
Publicado
2019-01-28
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA